Sem acordo com líder democrata, governo Trump ruma à paralisação - Fato Amazônico


Sem acordo com líder democrata, governo Trump ruma à paralisação

WASHINGTON – O líder democrata no Senado, Chuck Schumer, reuniu-se com o presidente Donald Trump na Casa Branca nesta sexta-feira para buscar maneiras de evitar uma paralisação do governo dos EUA, mas Schumer disse depois que permaneceram os desentendimentos mesmo diante do prazo final à meia-noite para aprovação de uma lei de financiamento.

Trump convidou Schumer à Casa Branca à medida que uma lei para financiar o governo federal até 16 de fevereiro parecia estar à beira do colapso no Senado, onde são necessários votos democratas para sua aprovação.

— Tivemos um encontro longo e detalhado — afirmou Schumer a repórteres, em seu retorno ao Capitólio depois de aproximadamente 90 minutos de encontro.

Os chefes de gabinete de cada um deles – John Kelly para Trump e Mike Lynch para Schumer – também participaram.

— Discutimos todos os principais assuntos. Fizemos algum progresso, mas ainda temos um bom número de desentendimentos. As discussões vão continuar — disse Schumer.

Controlada pelos republicanos, a Câmara dos Deputados aprovou uma medida para os gastos na véspera, mas ela têm sido escanteada no Senado por causa de uma disputa sobre imigração. A Câmara havia planejado um recesso no fim da sexta-feira para uma pausa de uma semana, mas deputados foram alertados de que poderiam ser chamados de volta para novas votações.

Os democratas demandam que a lei inclua proteções contra a deportação de 700.000 jovens imigrantes sem documentos. Essas crianças, conhecidas como “sonhadores”, foram levados aos Estados Unidos na infância, majoritariamente do México e da América Central, e receberam um status legal temporário em um programa iniciado pelo ex-presidente Barack Obama. Muitos foram educados nos Estados Unidos e não conhecem nenhum outro país.

Em setembro, Trump anunciou que estava encerrando o programa, dando ao Congresso até 5 de março para propor uma alternativa.

Líderes de ambos os partidos culparam os outros pelo impasse.

Fonte – O Globo