Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O 2° Concurso de Linguagem de Programação e Robótica – Procurumim, promovido pela Prefeitura de Manaus, contou com a participação de  170 alunos da Secretaria Municipal de Educação (Semed). São estudantes de 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental que participam do Projeto do Clube de Linguagem, em 35 escolas municipais. O evento aconteceu na sexta-feira, 24/11, na sede da Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério (DDPM) bairro Parque 10, zona Centro- Sul de Manaus.

Todas as escolas vencedoras receberam um troféu e os alunos medalhas, estojos personalizados e livros. Os clubes vencedores receberam, também, um curso de robótica. Ainda durante o evento foi feita a entrega simbólica dos kits robokid (Fundamental 1) e o robokit (Fundamental 2) para as Escolas Municipais Waldir Garcia e Ana Mota Braga, respectivamente, que farão parte do projeto no próximo ano, quando 40 unidades farão parte do projeto Procurumim, que vai beneficiar direta e indiretamente, cerca de 10 mil alunos da rede municipal. Os novos kits serão entregues a partir do novo ano letivo. 

O torneio Procurumim foi criado como uma maneira de apresentar ao público interno e externo da secretaria tudo o que foi aprendido ao longo do ano pelos estudantes nos clubes de robótica, além de promover a troca de conhecimentos em linguagem de programação, envolvendo softwares e aplicativos educacionais. 

A competição foi dividida em seis modalidades, com disputas de softwares como: Kudo (ambiente de programação virtual, que possibilita a criação de jogos tridimensionais), Blockly (utilizado para resolver problemas como se fossem blocos de montar)  e Sacratch (linguagem de programação que possibilita criar histórias animadas, jogos e outros programas interativos). 

Também aconteceram competições com o Robô Kids de futebol e o Sumô e com o APP Inventor, que permite desenvolver aplicativos Android usando um navegador da Web e um telefone ou emulador conectados. Durante 1h30, os estudantes montaram e apresentaram os seus projetos, robores e aplicativos, passando pela avaliação de um corpo técnico formado por professores e alunos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade Estadual do Amazonas (UEA), Fundação Vitória Amazônica e Arduína Manaus.

A subsecretária de Gestão Educacional, Euzeni Trajano, esteve presente e falou da importância em trabalhar nas escolas a tecnologia educacional, auxiliando o desenvolvimento do raciocínio lógico e a competição saudável dos alunos. “Esse método de ensino desperta no aluno a criatividade, desenvolvendo outras habilidades, além das já desenvolvidas em sala de aula”, comentou.

Desenvolver múltiplas habilidades

De acordo com o coordenador do projeto, Régis Caria, a ideia do concurso não é a competição em si, mas desenvolver outros aspectos entre os estudantes, como a interação e socialização de conhecimentos. “Tanto o concurso, quanto o projeto, não estão limitados a tratar apenas de robótica, já que acabam sendo trabalhados de forma alinhada a outras disciplinas como matemática e ciências, o concurso é a comprovação do que eles aprenderam com os projetos desenvolvidos em sala de aula”, explicou Caria.

A aluna Sarah Viana, 11, do 5º ano da Escola Municipal Desembargador Candido Honório Ferreira no bairro Alvorada 2, zona Oeste de Manaus, e que já participou de competições Nacionais de matemática e tecnologia, sobre como a robótica pode ajudar no futuro. “Eu acho muito bom aprender a montar robô, eu acredito que no futuro os robôs vão ser aliados das pessoas e vão poder resolver problemas que para o ser humano hoje ainda é difícil”, disse Sarah.

Durante todo o ano, os coordenadores de Telecentros responsáveis pelos projetos, participaram de formações e recebem orientações sobre como montar e criar os desafios que precisavam ser desenvolvidos pelos alunos. De acordo com Aldemira Câmara, gerente da Gerência de Tecnologia Educacional (GTE) da Semed, a proposta do projeto é preparar os estudantes da rede para o futuro profissional. 

“Estamos preparando os alunos para esse mundo tecnológico que está a caminho. Queremos que eles sejam mais do que consumidores de tecnologia, mas geradores de conteúdos. Também estamos pensando no futuro dessas crianças, que poderão ocupar bons cargos no nosso Polo Industrial”.

Procurumim

Criado em 2016, o Procurumim proporciona aos estudantes a multialfabetização, favorecendo uma aprendizagem significativa e não estando limitado a tratar apenas de robótica, já que acaba trabalhando de forma alinhada outras disciplinas como matemática e ciências.

O objetivo é incentivar nas crianças as habilidades cognitivas, interpessoais e intrapessoais, focadas na fluência tecnológica, que formam o aluno do século 21, para que seja desenvolvido o raciocínio lógico, buscando que os alunos não sejam apenas consumidores de tecnologia, mas que criadores de conteúdo.

Classificação das escolas e modalidades

App+Futebol+Sumô (1º ao 5º)

1º Escola Municipal Maria Rufina de Almeida

2º Escola Municipal Sebastiões Norões

3º Escola Municipal Irmã Dulce

Blockly EF 1 (1º ao 5º)

1º Escola Municipal Maria Ferreira

2º Escola Municipal Vila da Felicidade

3º Escola Municipal Antônia Alexandrina

App+Seguidor de linha+Sumô (6º ao9º)

1º Escola Municipal Dulcenides dos Santos Dias

2º Escola Municipal Rita de Cássia da Silva

3º Escola Municipal João Alfredo

Blocky EF 2 (6º ao 9º)

1º Escola Municipal Jarlece da Conceição Zaranza

2º Escola Municipal Jornalista Sabá Raposo

3º Escola Municipal Francisco Nunes

Kodu (1º ao 5º)

1º Escola Municipal João Goulart

2º Escola Municipal Elinea Folhadela

3º Escola Municipal Madalena dos Santos Costa

Scratch (6º ao 9º)

1º Escola Municipal Padre Pulga

2º Escola Municipal Aristófanes Bezerra de Castro

3º Escola Municipal Ana Mota Braga


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •