Dois dos maiores programas destinados pelo Governo do Amazonas à agricultura, Pró-calcário e Pró-mecanização, estão beneficiando centenas de produtores rurais. Até a sexta-feira (21/09), 800 projetos foram aprovados ou estão em fase final de aprovação pela Agência de Fomento do Governo do Amazonas (Afeam), um investimento de R$ 10 milhões que vai melhorar a produtividade no interior.

Casado com os dois programas, a Afeam disponibiliza ainda o Afeam Agro, para o financiamento das atividades agrícolas, com orçamento disponível de R$ 15 milhões. Ou seja, o Governo do Amazonas incentiva o preparo da terra e também financia a comprar de insumos, máquinas e implementos agrícolas, uma ação integrada que gera maior produção agrícola, emprego e renda.

O Pró-calcário e o Pró-mecanização foram lançados pelo governdor Amazonino Mendes em maio, com orçamento de R$ 30 milhões da Secretaria de Produção Rural (Sepror). O objetivo é resolver um dos grandes problemas do setor primário: disponibilização de máquinas para arar a terra e calcário para melhorar a produtividade, da mandioca, fruticultura ou da pecuária, na recuperação de pastos.

No Pró-mecanização, o Estado custeia 85% do valor do preparo da área a ser cultivada, com o produtor pagando 15% do investimento. No Pró-calcário, a subvenção é de 50%. Para se ter uma ideia do ganho de produtividade da terra preparada adequadamente, um hectare de mandioca rende até 30 toneladas do produto. No método convencional, essa produção cai pela metade ou até menos.

Beneficiados – Na terça e quinta-feira, dias 25 e 27 de setembro, a Afeam e o Idam, órgão de assistência técnica da Sepror, que elabora os projetos juntos aos produtores rurais, liberam recursos para agricultores e pecuaristas do Distrito Rural de Novo Remanso, de Itacoatiara (dia 25) e de Presidente Figueiredo (dia 27). Novo Remanso é destaque regional na produção de abacaxi.

Microcrédito – Em Presidente Figueiredo, a Afeam também liberará recursos para microempresários dos setores comercial e de serviços. São cerca de R$ 100 mil que serão injetados na economia do município, conhecido como a Terra das Cachoeiras. Os recursos, todos microcrédito, possibilitarão incrementar empreendimentos, muitos relacionados ao turismo.