O deputado estadual Sidney Leite (PROS) citou as más impressões que teve durante a viagem feita no último fim de semana à região do Alto Rio Negro em discurso ontem na Assembleia Legislativa do Amazonas. De acordo com o deputado, as comunidades indígenas sofrem descaso, principalmente, com relação à educação e à saúde.

Segundo o deputado, o município de São Gabriel da Cachoeira (a 852 quilômetros de Manaus) recebeu em 2013, cerca de R$30 milhões destinados à educação, mas não possui nenhuma escola em condições de funcionamento. “Não existe uma política articulada para a educação no município, os professores não tem o mínimo de valorização e a merenda escolar não dura 15 dias”, enumerou, acrescentando que o próprio prédio da Funai no município está em situação de abandono.

Sobre a saúde, o parlamentar lamentou a falta de medicamentos, transportes de urgência e emergência. “É uma situação de calamidade, muitas vezes não tem nem água e o medicamento, quando tem, não dura 15 dias”, citou. A comunicação também foi outro ponto precário observado pelo deputado, que disse não existir transmissão de dados na região, com sinal de telefonia precário.

Em apartes, os deputados Washington Régis (PMDB) e Conceição Sampaio (PP) corroboraram as palavras do parlamentar, enfatizando a questão do tráfico de drogas como agravante para os povos indígenas pelas ameaças e risco de morte na região e a importância da educação no combate ao problema.