Para Rodoviários, culpa das paralisações é das empresas, que não decidem sobre Dissídio Coletivo
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Contrariando a decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), o Sindicato dos Rodoviários paralisou 100% da frota na manhã desta quinta-feira, 31. Na tarde desta quarta-feira, 30, o Sinetram, o Sindicato dos Rodoviários e a Prefeitura se reuniram para mais uma rodada de negociação, sem acordo.

Esse é o terceiro dia consecutivo de paralisação ilegal, que já prejudicou mais de 600 mil pessoas. Na terça-feira mais de 350 mil pessoas foram prejudicadas, ontem mais de 255 mil usuários também foram prejudicados. 

“Mais uma vez a população foi penalizada com uma greve irregular. O Sinetram confia na justiça e entende que o diálogo envolvendo empregadores, empregados e a Prefeitura, é o melhor caminho para o enfrentamento da questão, de forma a preservar o interesse público. Desde que se respeite a ordem judicial e o direito de ir e vir da população, estaremos abertos ao diálogo, pois a população não merece isso”, explica o assessor jurídico do Sinetram, Fernando Borges.

Na última terça-feira, 29, a presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Eleonora de Souza Saunier, deferiu uma nova liminar e aumentou a multa para de R$ 30 mil, para R$ 200 mil por hora de paralisação e em caso de descumprimento, pediu apoio das forças policiais para manter a ordem.

Atualmente as nove concessionárias que operam o transporte coletivo de Manaus transportam, em média, 750 mil passageiros em 229 linhas.

Decisões

Primeira Decisão

Segunda Decisão

Terceira Decisão


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •