Solenidade para anunciar pagamento de escalonamento da PC comandada por David é classificada como eleitoreira - Fato Amazônico

Solenidade para anunciar pagamento de escalonamento da PC comandada por David é classificada como eleitoreira

A solenidade comandada pelo governador interino David Almeida (PSD), com a presença do Delegado-Geral de Polícia Civil, Frederico Mendes, para anunciar o pagamento da terceira parcela do escalonamento da Polícia Civil foi visto pelo delegado João Tayah, vice na chapa de Luiz Castro, como eleitoreira. Em sua página do Facebook, ele afirma: “um dia de vergonha para a Polícia Civil”.

Para explicar que o evento comandado por David Almeida, principal cabo eleitoral da candidata ao governo na eleição suplementar Rebecca Garcia (PP), foi eleitoreiro João Tayah fez uma postagem no Facebook onde diz que o escalonamento foi aprovado em 2014 para ser pago em 2015, 2016, 2017 e 2018, as duas primeiras parcelas foram pagas normalmente, mas o governador cassado, José Melo e o interino David Almeida, se recusaram a cumprir o pagamento da terceira parcela em 2017.

“Diante disto, as entidades de classe da Polícia Civil moveram ações judiciais contra o Estado, visando questionar o descumprimento de diversos direitos da categoria. O Judiciário deu ganho de causa aos policiais, determinando o pagamento do escalonamento. Então, em um momento de ausência do Governador interino David Almeida no Estado, o Presidente do Tribunal de Justiça, Desembargador Flávio Pascarelli, que estava respondendo provisoriamente pelo Governo, homologou o pagamento do escalonamento”, afirma em sua postagem Tayah.

UM DIA DE VERGONHA PARA A POLÍCIA CIVIL

Observem esta foto. Ela é a representação do uso da Polícia Civil de forma eleitoreira na data de hoje. Explico.

Em 2014, foi aprovado por lei o escalonamento (recuperação remuneratória) da Polícia Civil, a ser pago em quatro parcelas: 2015, 2016, 2017 e 2018. As duas primeiras parcelas foram pagas normalmente, porém o Governador cassado, José Melo, e o Governador interino, David Almeida, se recusaram a cumprir o pagamento da 3a parcela em 2017.

Diante disto, as entidades de classe da Polícia Civil moveram ações judiciais contra o Estado, visando questionar o descumprimento de diversos direitos da categoria. O Judiciário deu ganho de causa aos policiais, determinando o pagamento do escalonamento. Então, em um momento de ausência do Governador interino David Almeida do Estado, o Presidente do Tribunal de Justiça, Desembargador Flávio Pascarelli, que estava respondendo provisoriamente pelo Governo, homologou o pagamento do escalonamento.

Vale ressaltar que não houve qualquer cerimônia de homenagem ou agradecimento nos pagamentos da 1a e 2a parcela do escalonamento, em 2015 e 2016. E isto é o correto, afinal, cumprir a lei é um dever de todo agente público, e não motivo de elogio ou homenagem. O correto seria que hoje estivesse ocorrendo uma cerimônia de REPÚDIO, pois os policiais tinham direito de receber a vantagem pecuniária desde janeiro, porém só receberão a contar de agosto. Mas preferiram homenagear o descaso dos nossos governantes com placas de comemoração.

A verdade é que, se não fossem o Judiciário e a luta dos policiais, a 3a parcela do escalonamento não iria sair NUNCA. Foi necessário um ato de coragem do Desembargador-Presidente do TJ/AM para que este direito básico fosse efetivado. Mas como estamos em plena campanha eleitoral, tudo vai ser motivo pra elevar a imagem de certos oportunistas, que usam o dinheiro do contribuinte para se promoverem.

Chega! Eu não quero fazer parte de uma instituição subserviente aos interesses de governantes. Eu fiz concurso para servir à população, e não a qualquer político. Tenho vergonha de ver minha instituição sendo utilizada para estes fins. A Polícia Civil é um órgão permanente de Estado e merece respeito!