Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Governo do Estado iniciou, na semana que passou, um mutirão de cirurgias eletivas no município de Carauari, a 788 km de Manaus. Durante a ação, realizada pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam), em parceria com a Prefeitura Municipal de Carauari, serão atendidos 60 pacientes, em procedimentos cirúrgicos de baixa, média e alta complexidades.

O mutirão iniciou quinta-feira (17/05) e segue até a próxima terça-feira (22/05). De acordo com o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, a iniciativa mostra a importância do trabalho em conjunto com as Prefeituras. “Desde o início da gestão, temos mantido um forte diálogo com os municípios para, juntos, conseguirmos oferecer serviço de saúde de qualidade à população do interior. Nossa equipe foi a Carauari em janeiro, identificou os problemas, e agora estamos voltando ao município, para dar início a esse trabalho, visando a atender a demanda nessa área”, declarou.

Uma equipe médica formada por cirurgião geral, anestesiologista e instrumentador foi enviada para município, para a realização dos procedimentos. Na quarta-feira (16), eles receberam os pacientes pré-selecionados pela equipe do Hospital Regional de Carauari e iniciaram a revisão dos prontuários. As cirurgias tiveram início no dia seguinte.

“Trouxemos médicos capacitados, experientes, para esta ação. Vidas não têm preço. Isso que está sendo realizado aqui é imensurável. Para estas pessoas, que antes precisariam se deslocar até Manaus para realizar a cirurgia, o mutirão vem como uma importante resolução aos problemas. É um projeto que não finda com esta etapa. Viremos outras vezes ao município, para dar continuidade a esse atendimento”, explicou a secretária executiva Adjunta da Susam para o Interior, Edylene Pereira.

Coordenando a equipe médica, o cirurgião-geral Cleucivan Bastos explicou que foram priorizados, no mutirão, os procedimentos que normalmente são realizados apenas em Manaus. “Morei em Carauari, como médico do Exército, voltei a Manaus para me especializar e agora retorno ao município, com muita satisfação, para participar deste mutirão. Realizaremos dez cirurgias diárias, em média. Dentre elas, de hérnia, vesícula, histerectomia, urológicas e ginecológicas”, relacionou.

O vice-prefeito de Carauari, Zé Viana, ressaltou que o mutirão marca um momento de reestruturação da saúde na região do Juruá. “A atual gestão da Susam vem reescrevendo a história da saúde no município. A secretária Edylene veio pessoalmente a Carauari em janeiro, levantou os problemas, e agora volta com uma solução eficiente para nossa população, realizada em conjunto com a Prefeitura. Esta integração entre município e Estado veio no momento certo”, afirmou.

De acordo com o secretário municipal de saúde de Carauari, José Maria Santiago, outros mutirões devem ser realizados ainda em 2018. “Esta é a primeira ação deste tipo que realizamos no ano. Abrimos um cadastro de pacientes que necessitam de cirurgias eletivas, e estamos atendendo este primeiro grupo. Agora, estamos levantando a demanda das comunidades rurais, para realizar um mutirão focado somente à população ribeirinha”, ressaltou.

A professora Maria de Jesus Oliveira é uma das pacientes que passará por cirurgia neste mutirão. “Fazer a cirurgia na minha cidade é bem melhor. Eu ia para Manaus fazer a cirurgia, mas nós precisamos da família perto e não é a mesma coisa fazer longe. Agora, chegou a minha oportunidade de fazer aqui e estou muito agradecida aos médicos, que vieram até aqui, e ao Governo e Prefeitura que trouxeram essa ação à Carauari”, destacou.

Gestão compartilhada

Em janeiro, a Prefeitura de Carauari e a Susam assinaram o Termo de Compromisso de Gestão (TCG), por meio do qual os recursos para a gestão do hospital da cidade passam a ir direto para a conta do município. Já como parte do acordo, essa semana, Carauari recebeu repasses de R$ 255,4 mil para a Média e Alta Complexidade.

A pactuação, feita com todos os municípios do interior, foi aprovada na Comissão Intergestora Bipartite (CIB) – colegiado que reúne gestores estaduais e municipais, para deliberar sobre a aplicação de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS). No TCG está definindo o papel de cada ente. Ao Estado cabe manter o financiamento do quadro de servidores nas unidades; o abastecimento de produtos para a saúde, material médico-hospitalar e medicamentos; repassar às secretarias municipais equipamentos e veículos administrativos e também de transporte de pacientes; gases medicinais; prestar assessoria técnica administrativa e de planejamento; serviço de UTI aérea, bem como a destinação de recursos estaduais para aquisição de novos equipamentos, ampliação e reforma dos hospitais.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •