Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmou nesta quinta-feira ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que a saída do Reino Unido da União Europeia oferece a ambos países a oportunidade de fechar um pacto “sem precedentes” para impulsionar o emprego e o crescimento.

May relatou as várias oportunidades que, segundo sua opinião, o “Brexit” oferece às relações bilaterais entre EUA e Reino Unido durante o jantar que compartilhou hoje com Trump e com uma centena de empresários no palácio de Blenheim, no condado de Oxfordshire.

“Enquanto nos preparamos para deixar a União Europeia, temos a oportunidade de chegar a um acordo comercial que faça crescer os empregos no Reino Unido e nos Estados Unidos”, declarou a primeira-ministra.

“Também é uma oportunidade para derrubar as barreiras burocráticas que frustram os líderes empresariais de ambos lados do Atlântico”, acrescentou.

Trump e sua mulher, Melania, foram recebidos em sua chegada ao castelo com uma cerimônia militar, horas depois de aterrissar na capital britânica para sua primeira visita ao Reino Unido.

No jantar, no qual foi servido salmão escocês, filé de vitela inglesa e morangos com sorvete, também estiveram presentes alguns membros do governo britânico, como o recém-nomeado ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, e o de Defesa, Gavin Williamson.

“Ter os Estados Unidos ao nosso lado foi, para mim, a maior alegria”, disse May parafraseando o primeiro-ministro Winston Churchill, antes de reiterar que “o espírito de amizade e cooperação” entre os países tem uma “longa e orgulhosa história”.

A primeira-ministra afirmou ainda que “o idioma, os valores e a cultura” compartilhados por Reino Unido e Estados Unidos “inspiram respeito mútuo” e fazem que as duas nações sejam “não só as mais próximas aliadas, senão as mais queridas amigas”.

Além disso, lembrou que o Reino Unido é o maior investidor nos EUA, 30% na frente do segundo colocado, o que “não pode ser subestimado”.

Trump chegou hoje ao Reino Unido em meio a uma onda de protestos e permanecerá durante o final de semana, antes de reunir-se na próxima segunda-feira com o presidente russo, Vladimir Putin, em Helsinque. (Agência EFE)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •