O Palmeiras vive momentos decisivos na temporada e vê torcida, elenco e diretoria se unirem em prol do clube. Líder do Campeonato Brasileiro e precisando reverter a vantagem do Boca Juniors para chegar à final da Copa Libertadores, os torcedores do Verdão fazem festa no aeroporto, pedem a liberação do Corredor Alviverde no Allianz Parque e se reaproximam da atual diretoria com o respaldo dado em casos de violência e jogos fora da capital paulista.

Por meio de seu perfil oficial no Instagram, a maior torcida organizada da equipe, Mancha Alvi-Verde, agradeceu publicamente ao presidente Mauricio Galiotte e ao diretor de futebol Alexandre Mattos pelo “suporte prestado ao torcedor da S.E. Palmeiras” (confira na íntegra o conteúdo publicado ao final deste texto) no Rio de Janeiro, em partida no último sábado, contra o Flamengo, no Maracanã.

Na chegada à capital carioca, um ônibus contendo cerca de 45 torcedores comuns do Palmeiras, incluindo mulheres e crianças, vindo de Juiz de Fora (MG), foi atacado por flamenguistas, que arremessaram pedras, quebraram vidros e deram pauladas no veículo tentando acertar os passageiros.

Já no Maracanã, a torcida palestrina fez festa pelo empate conquistado contra os rubro-negros, que manteve os paulistas quatro pontos à frente dos rivais na liderança do Campeonato Brasileiro.

Antes da partida de ida da semifinal da Copa Libertadores, em que o Verdão acabou derrotado pelo Boca Juniors por 2 a 0 na Bombonera, a torcida do Maior Campeão do Brasil já havia feito festa no embarque para Buenos Aires, com centenas de torcedores recepcionando o ônibus do time no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

Os palmeirenses agora criaram nas redes sociais as hashtags #CorredorAlviverde e #Liberemafesta para que a concentração de torcedores na chegada do ônibus dos atletas ao estádio seja liberada. A prática é proibida pelo Ministério Público e Polícia Militar desde 2016, sob a justificativa do tumulto causado nas ruas adjacentes à Arena.

Antes da proibição, a festa palestrina fez sucesso em algumas oportunidades, sendo a mais famosa em 2015, na final da Copa do Brasil, contra o Santos. O Verdão vinha de uma derrota no primeiro jogo por 1 a 0 na Vila Belmiro, e após triunfo por 2 a 1 no Allianz Parque, conseguiu o título nos pênaltis.

Torcida e clube poderiam estar juntos já nesta terça-feira, (30/10), mas o regulamento da Conmebol não permite atividades nos estádios que sediarão jogos da Libertadores antes das partidas. Assim, a intenção da direção alviverde de fazer um treino aberto ao público no Allianz Parque precisou ser deixada de lado.

O bom relacionamento com a torcida, além dos resultados dentro de campo, são extremamente positivos para a diretoria palestrina, especialmente neste período da temporada. Ao final do ano, acontecerão eleições presidenciais no clube e o atual mandatário Maurício Galiotte, apoiado pela patrocinadora e conselheira Leila Pereira, tentará a reeleição contra Genaro Marino. (Gazeta Esportiva)