MANAUS, 25/11/2017. ABERTURA DA SEGUNDA EDIÇÃO DA FEIRA INTERNACIONAL DE GASTRONOMIA (FIGA), NO CENTRO DE CONVENÇÕES VASCO E VASQUES. FOTO: CLOVIS MIRANDA / SECOM
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Implantar e fortalecer o Roteiro de Turismo Gastronômico do Amazonas. Este são os objetivos do Governo do Estado, por meio da Empresa Estadual de Turismo (Amazonas), ao realizar a 2ª edição da Feira Internacional de Gastronomia Amazônica (Figa), em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-AM).
 
A feira, que começou na última sexta-feira (24/11) e prossegue até hoje (26/11), está sendo realizada no Centro de Convenções do Amazonas Vasco Vasques (CCA), das 14h às 21h, reúne os principais nomes do setor, além de 16 municípios do Estado, mostrando, cada um deles, o seu potencial gastronômico. 
Para alcançar esses objetivos, o presidente da Amazonastur, Orsine Junior, disse que o governador Amazonino Mendes determinou que mais ações, iguais a da Figa, possam ser fomentadas para que o roteiro turístico gastronômico do Amazonas seja consolidado, seguindo a tendência mundial.  
“Estamos fomentando a Figa, apoiando e massificando para que ela se torne maior a cada ano, fazendo assim com que toda a cadeia produtiva da alimentação e da gastronomia seja enobrecida e ela use os produtos amazônicos. Por isso, que trouxemos chefs do Peru, Espanha, Inglaterra e França, para que essas pessoas troquem informações com os chefs locais e usem os nossos sabores”, informou o presidente da Amazonastur. 
Economia natural – O titular da Amazonastur informou que a economia do Estado se baseia em várias atividades e o turismo é a matriz da economia natural. Através das determinações do governador Amazonino, a Amazonatur tem fomentado cada vez mais a indústria do turismo. Cerca de 70% do que os turistas gastam no Destino refere-se à gastronomia.
A presidente da Abrasel-AM, Lilian Guedes, ressaltou que o Estado hoje vive um novo momento e que a atenção que o Governo vem dando ao setor gastronômico só tende a contribuir para a consolidação turística do Amazonas. “Hoje a palavra é de gratidão a todos que nos ajudaram a chegar a segunda edição da Figa, em especial do Governo do Amazonas, através da Amazonastur. Estamos apostando muito nesse novo momento que o Estado passa. Tenho certeza que o vamos colher frutos desse trabalho ao longo dos próximos anos”, disse Lilian.
Chefs – Os chefs regionais, nacionais e internacionais, que estão participando da programação “Arena Gastronômica”, dizem que festivais e feiras de gastronomia como a Figa servem para reafirmar a posição do destino no roteiro de turismo gastronômico do País. “A feira é grandiosa. Tem espaço para todos os produtores e até para os artesãos. Vale muito a pena participar de um evento como esse, pois percebe-se a união de todos os envolvidos para consolidar o Amazonas como um destino também para o turismo gastronômico”, destacou Guga, que só em sua conta no Instagram possui mais de 142 mil seguidores.
O chef  peruano Matias Florez disse que o Amazonas tem uma culinária única e que está aproveitando a participação na Figa para enriquecer seus conhecimentos gastronômicos e culturais. “Estou aqui para fazer uma palestra, mas também estou aprendendo muito com os chefs locais. Essa troca de conhecimento sem dúvida é importante para todos os envolvidos”.
Além de Matias e do Guga Rocha, chefs como Maria do Céu, Dedé Parente, Hiroya Takano, Alcenir Seixas, Felipe Schaedler, Denise Rohnelt de Araujo, Salomão Moreira de Aquino, Ana Luiza Trajano, Manu Baffara, Debora Shornik, Luciana Felicori e o premiado chef francês Laurent Suaudeau estão participando da segunda edição da FIGA.
Municípios –  Pelo menos 16 municípios estão presentes na Figa 2017, entre eles estão Borba, Parintins, Manacapuru, Tefé, São Gabriel da Cachoeira, Careiro Castanho e Santa Isabel do Rio Negro.
“O Uarini trouxe sua farinha. Parintins trouxe bodó. Carauari trouxe seu açaí. Cada um trazendo seu produto e mostrando como ele pode ser aproveitado no roteiro gastronômico no Estado. O Amazonas tem muito a ganhar com isso porque a nossa gastronomia é única, porque temos essas particularidades aqui. Além disso, nós temos 95% do Estado preservado, ou seja, você vem ver a natureza e desfruta do seu delicioso sabor”, finalizou Orsine.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •