Único voto contrário ao uso do Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Amazonas (FTI) que retira dinheiro do desenvolvimento do interior para pagar dívidas da saúde, o deputado estadual Wilker Barreto (PHS) aproveitou a presença do Secretário de Estado da Fazenda (Sefaz), Alex Del Giglio, para cobrar o valor real da dívida do Amazonas.

Com 19 votos a favor do Fundo que promete direcionar o montante de R$ 350 milhões do FTI para a saúde no interior, sendo um percentual de 20% para os 61 municípios, Wilker foi o único parlamentar a questionar a utilização da verba. A intenção do humanista era que o governo usasse os R$ 417 milhões presentes na reserva de contingência, sem sacrificar a verba usada para aplicação no desenvolvimento das cidades do interior.

“É um fundo exclusivamente para o interior. Seriam recursos para aumentar a geração de emprego e renda, assim como potencializar a vida da população ribeirinha. Era para o governo utilizar os 417 milhões da reserva de contingência, usada tão somente em calamidades e outros fins. Também erraram os governadores que utilizaram esse recurso no passado fazendo o interior sofrer” comentou o deputado.

Presente na votação, o secretário da Sefaz, Alex Del Giglio, ouviu do deputado Wilker Barreto que o “dever de casa” não foi feito pelo governador Wilson Lima, ao não adotar medidas de austeridade.

“O correto para o momento seria enxugar a máquina pública. Aproveitei a presença do secretário para cobrar os números dos déficits do Estado que até agora não foram entregues. Temos hoje que garantir os investimentos do interior. O correto seria o governador Wilson Lima dizer que fizeram de tudo, enxugaram o máximo, mas não foi suficiente. Espero que ele (Alex Del Giglio) e o governador deem celeridade à reforma administrativa”, alertou.

Apoio do Corecon-AM

Apesar de ser o único parlamentar contrário a utilização do recurso do FTI, Wilker acabou recebendo o apoio do Conselho Regional de Economia de Amazonas (Corecon-AM). Na nota assinada pelo presidente, Francisco Assis, o órgão afirma que Governo do Amazonas, ao utilizar o FTI, sacrifica o interior.

“O CORECON/AM, tem plena convicção de que o remanejamento dos recursos do Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Amazonas (FTI) para pagar despesas da saúde é sacrificar o interior do Estado do Amazonas. O FTI é um recurso para ser gasto com investimento no interior do Estado e nada justifica utilizar esse dinheiro com destinação especifica para pagar dívidas oriundas da má gestão governamental”, diz trecho da nota.

“O CORECON/AM, atento na defesa intransigente do desenvolvimento regional, bem como na atenção ao objetivo fundamental da regulamentação profissional, que é o de proteger a sociedade assegurando-lhe altos princípios técnicos e éticos na prestação dos serviços técnicos de Economia e Finanças, vem, por isso mesmo, manifestar, publicamente, seu irrestrito apoio ao economista Deputado Estadual Wilker Barreto, no sentido de assegurar-lhe o mais absoluto direito ao livre exercício de sua profissão.”, finaliza a nota.