Vereadores retomam discussão sobre reabertura da Santa Casa - Fato Amazônico

Vereadores retomam discussão sobre reabertura da Santa Casa

A reativação dos trabalhos da Santa Casa de Misericórdia, localizada no Centro, voltou a ser cobrada na tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM), na manhã desta segunda-feira (12), pelo vereador Mário Frota (PSDB). O parlamentar chamou a atenção do plenário para o assunto, ao comentar uma matéria publicada no jornal O Liberal (PA), sobre um mutirão de cirurgias pediátricas, realizado no último fim de semana na Santa Casa de Misericórdia de Belém.

“A Santa Casa de Belém, uma instituição de aproximadamente 300 anos, estava quase fechando as portas, mas o governo resolveu salvá-la. Hoje, após 10 anos e três governos diferentes, que se preocuparam em ajudar o hospital, ela é referência no Pará, e o melhor hospital infantil da região Norte”, destacou Frota.

Em comparação com a Santa Casa de Misericórdia de Manaus, observou o parlamentar, nenhum governo se interessou em reabrir a referida unidade de saúde. Segundo Mário Frota, em conversa com o prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB), ele até teria demonstrado interesse em ajudar, mas devido as contas comprometidas da prefeitura, o auxílio se tornou inviável.

O vereador tucano cobrou uma postura do Estado, que de acordo com ele é rico e dispõem de um orçamento de R$ 13 bilhões, de onde poderiam ser disponibilizados recursos para a reabertura da Santa Casa. “Municípios pequenos como Óbidos e Santarém (PA), conseguem manter as suas Santas Casas em funcionamento. A de Manaus é a única Santa Casa que está desativada”,

Transparência

O vereador Massami Miki (PSL) informou que iria protocolar junto á mesa diretora da Casa Legislativa um requerimento solicitando as contas da Santa Casa de Misericórdia dos últimos 20 anos. “É necessário haver uma transparência nas contas da Santa Casa, o que não ocorre. Iremos pedir a ajuda de auditores independentes Corecon (Conselho Regional de Economia), contadores, para analisar este material”, pontuou Massami,

Ele também não destacou a possibilidade da CMM realizar uma ação semelhante a que ocorreu em 1994, ocasião em que um grupo de vereadores se mobilizou para evitar o fechamento do hospital, e pediu auxílio ao Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), que, na ocasião, se prontificou a ajudar, por meio de apoio das empresas do Distrito Industrial.

“Infelizmente a Santa Casa é particular, e não tem como haver uma intervenção do estado ou do município”, observou Joãozinho Miranda (PTN), que também destacou a tentativa frustrada do Estado, em 2003 em assumir o hospital, o que não foi possível.

O vereador professor Samuel (PPS) lembrou a existência Frente Parlamentar de Apoio ao Hospital Santa Casa – criada pela resolução nº 063/2014 -, que buscas soluções para o caso e no próximo dia 2 de junho, promoverá uma audiência pública, no plenário da CFMM.