O deputado Luiz Castro oficializou, nesta quarta-feira(12), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia,que vai investigar os casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes no Estado do Amazonas. Dos 24 parlamentares, vinte e dois assinaram o requerimento. Apenas o deputado Francisco Souza se recusou a apoiar as investigações, enquanto que Wilson Lisboa não se encontra em Manaus.

O pedido foi entregue na manhã destaquarta-feira ao deputado Belarmino Lins, que presidia a Mesa Diretora, em substituição ao presidente Josué Neto. Cabe ao presidente instalar a CPI e definir os seus membros. Uma reunião foi marcada para quinta-feira (13), para encaminhar as providências.

De acordo com Luiz Castro, a criação da Comissão atendepedido da deputada federal Erika Kokay, que preside a CPI da Pedofilia na Câmara dos Deputados e já confirmou para o próximo dia 20, nova visita ao Amazonas. “Vamos trabalhar em conjunto, visando elucidar e punir os responsáveis pelos crimes de pedofilia no Estado”, destacou Castro.

Depois de instalada a CPI tem um prazo de funcionamento de 120 dias, prorrogáveis por mais 60 dias para a conclusão dos trabalhos e é criada para apurar fato determinado, no caso, a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes no Estado do Amazonas.

A instalação da CPI na Assembleia, segundo o deputado, demonstra que o parlamento não se omitirá e que efetivamente vai investigar a rede de pedofilia em Coari e em outros municípios, onde os crimes tenham relação com o Poder Público. “Também vamos exigir proteção às vítimas e às suas famílias”, destacou.

Castro lembra que nas vindas ao Amazonas, os membros da CPI da Câmara sofreram intimidações em Coari e que as vítimas continuam sendo ameaçadas de morte e suas famílias, retaliadas. “Esse estado de coisas tem que acabar. É preciso derrubar esse esquema de exploração sexual de crianças e adolescentes em Coari”, defendeu.

O deputado vem denunciando a situação de Coari desde 2008 e cobrou também uma posição da Justiça. “A Operação Vorax da Polícia Federal investigou e confirmou os casos de corrupção e de exploração sexual de menores, mas a Justiça não fez nada”, criticou Luiz Castro.

O deputado José Ricardo (PT) destacou também a importância da CPI da Pedofilia no Amazonas contribuir também com as investigações sobre os casos. “Existem casos, às vezes que não têm espaço necessário para uma investigação, então a CPI recebe as denúncias, averigua e encaminha aos órgãos do Judiciário, como o Ministério Público, para dar andamento em ações judiciais ”, declarou, lembrando também a Operação Estolcolmo que investiga casos de exploração sexual com a suposta participação de empresários e políticos do Estado .