Visando o Festival Folclórico porto de Parintins já passa por reforma - Fato Amazônico

Visando o Festival Folclórico porto de Parintins já passa por reforma

Por Kedson Silva – Parintins 24 Horas – O Terminal Hidroviário de Parintins está passando por manutenção desde a semana passada em toda a sua estrutura visando o Festival Folclórico desse ano. A Supervisora Operacional do Porto, Gildeth Prado afirma que as reformas foram antecipadas devido a passagem de navios de grande porte que passaram pela cidade, não reduziram a velocidade e acabou causando danos aos flutuantes devido a fortes banzeiros.

A Supervisora destaca a vinda em Parintins na semana que passou dos representantes da AHIMOC (Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental), através do Superintendente Adjunto Jorge Barroso e da chefa do núcleo de obras e melhoramento dos Portos, Alessandra Lopes. Segundo ela, a vinda desses representantes foi em razão das vistorias dos trabalhos que estão sendo executados no Cais do Porto de Parintins.

Gildeth Prado explica que a manutenção está sendo realizada primeiramente com o trabalho de soldagem e alinhamento dos olheis que ficam entre os módulos flutuantes do Cais do Porto por este motivo somente uma balsa está em funcionamento. Os barcos de madeira estão desembarcando suas mercadorias no Cais fixo. E as embarcações de ferro no flutuante disponível.

Prado diz que terminada os trabalhos nas balsas, iniciarão os trabalhos de pintura e verificação de melhoramento na estrutura. As reformas das pontes, do retro porto e do cais principal serão entregues e reformadas já para o Festival Folclórico 2015.

Quanto às rachaduras nas calçadas do Porto, os trabalhos de recuperação também já está sendo realizados, com relação ao acumulo de galhos de árvores e toras de madeira já é de conhecimento do Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes, DENIT. “Tivemos informações que após o festival, quando o nível das águas baixarem, serão trazidos para a cidade as pontes com as treliças invertidas. Não vai ser agora para o Festival porque não vai dar tempo, mas vamos continuar fazendo essa limpeza”, afirma a supervisora.

A responsável do Porto fala que com a inversão das treliças o problema de acumulo de toras de madeira e galhos serão solucionados, não na sua totalidade mais devem diminuir os gastos com a retirada, onde haverá uma rota de fuga para esse volume muito grande de material orgânico que vem descendo.