O desembargador João Simões, presidente do TRE-Am determinou a Secretaria Judiciária que oficie, com a urgência a Polícia Federal

A cinco dias da eleição convocada pela justiça eleitoral para a escolha do futuro governador do Amazonas, o  candidato Wilson Lima, apontado pelos institutos de pesquisa como o preferido do eleitor nas intenções de voto, pediu ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) reforço policial à sua segurança pessoal de dois agentes da Polícia Federal.

De acordo com informações contidas no processo, o candidato alega que as notícias mais recorrentes tentam ligar a sua campanha à facção criminosa  “Família do Norte” (FDN), além da ausência de compromisso em relação à indenização das famílias dos presos mortos no massacre do COMPAJ.

O candidato destaca, também, a prisão de um suposto traficante no município de Codajás de nome  “Didi” que, em depoimento à polícia, “afirmou” que o dinheiro com ele apreendido seria usado para compra de votos em seu favor.

Conforme expõe à justiça eleitoral, o depoimento de Didi é inverídico e que a operação realizada em Codajás é fruto de uma armação arquitetada e colocada em prática por seus opositores.

“A fraude fica evidente e desmarcada no momento que anteciparam tanto à polícia civil quanto à federal o desfecho da suposta operação, ou seja, a prisão de um traficante com dinheiro para compra de votos em meu favor”, registra.

O presidente do TRE, desembargador João de Jesus Abdala Simões, determinou à Secretaria Judiciária que oficie, com a urgência  ao Departamento de Polícia Federal para que informe a viabilidade de atendimento do pedido de escolta de dois policiais federais.

Veja a decisão