Wanderley Dallas destaca apoio de Eduardo Braga a reivindicações para a agricultura regional - Fato Amazônico


Wanderley Dallas destaca apoio de Eduardo Braga a reivindicações para a agricultura regional

Falando da tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) durante o Grande Expediente ontem (16), o deputado Wanderley Dallas (PMDB) informou sobre sua participação em reunião na última quarta-feira (15), em Brasília, com o senador Eduardo Braga (PMDB) e outros deputados estaduais, para acertar a vinda do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), senador Blairo Maggi (PP) ao Amazonas, destacando que nos últimos 20 anos o Estado não recebeu a visita de um ministro da pasta. A visita ainda não teve data determinada, mas foi confirmada para ser agendada em breve pelo ministro.

Dallas disse que na reunião, foram abordados assuntos importantes para o Amazonas, entre eles o problema do milho para a criação de aves, suínos e peixes, com a proposta de uma possível redução do ICMS específica para o milho, já que quando o produto entra por Itacoatiara, perde alguns incentivos no porto. Também foi abordada a questão das 30 fábricas de gelo que foram construídas pelo Ministério dos Transportes, mas nunca foram entregues para os pescadores amazonenses.

Citando como exemplo a fábrica de gelo de Tabatinga, onde os pescadores brasileiros compram o gelo na Colômbia, porque a fábrica nunca foi inaugurada, o deputado e o senador pediram que o ministro transfira as fábricas para o seu ministério, para que sejam repassadas para a Federação da Agricultura do Amazonas e finalmente serem entregues às entidades de pescadores do Amazonas. Dallas destacou que a presença do senador Eduardo Braga foi muito importante para as conversações com o ministro, que teve as presenças dos deputados Sinésio Campos (PT), Alessandra Campêlo (PMDB) e Dermilson Chagas (PEN).

Terminal de ônibus

No mesmo pronunciamento, Dallas questionou a prefeitura de Manaus a respeito das obras do terminal de ônibus da Cachoeirinha, localizado à Rua Codajás, que segundo ele completou um ano fechado para reforma no dia 15 passado, sendo que foi desativado para ser entregue de volta à população, reformado e ampliado, num prazo de 120 dias. “A prefeitura já adiou a entrega do terminal por quatro vezes e agora marcou nova data de entrega para o final deste mês”, disse.

E acrescentou que enquanto a reforma se arrasta, milhares de usuários do transporte coletivo de Manaus são obrigados pegar sol e chuva nas laterais da obra, onde “a bagunça e a desorganização são completas”, enquanto várias cobranças já foram feitas por ele sobre os motivos do atraso da obra. O deputado questionou também o fato de o valor inicial da obra ter sido calculado, em junho do ano passado, em R$ 2,1 milhões e que hoje, com oito meses de atraso na entrega, já teria estourado o orçamento.