O deputado Wilker Barreto (PHS) declarou que ficou profundamente frustrado com a mensagem do governo, lida na terça-feira e suas prioridades, postas, segundo ele, na contramão de um protejo político amparado na moralidade e na eficiência de uma administração ágil, transparente e, sobretudo, com forte apelo de redução dos gastos públicos.

“Esperava uma mensagem construída com bases fortes e amparada em suporte técnico, mas o que tivemos foi um discurso vazio e demagógico de campanha”.

De acordo com o parlamentar, a reforma administrativa deveria ter sido o passo inicial do atual governo e que por tudo que foi esboçado na mensagem caminha na direção dos mesmos equívocos cometidos do passado. “Dói-me o coração constatar que a Umanizzare ainda é prioridade neste governo”. A Umanizze está entre os cem maiores destinatários das verbas públicas do Estado.

Ainda sobre a mensagem do governo, Wilker criticou a ausência de planejamento e o excesso de discurso político. “Não vi praticidade, ou melhor, o que vi que o governo não acenou com soluções direcionadas ao problemas que mais aflitem o estado, como segurança e saúde”, afirma.

Segundo Wilker Barreto, o governo deveria realinhar os contratos com o estado, à propósito da Umanizzare que, segundo destacou, já recebeu R$ 15 milhões e já tem empenhado para 2019 R$ 50 milhões.

“A Umanizzare pode ficar sem receber ou ter ajustes. O que não pode é a saúde e a educação prejudicadas. Essas devem ser prioridades e estou aqui para defender essas medidas”.

Falta de estoque de anestesia

Em alerta para a questão da saúde no Amazonas, Wilker Barreto foi conferir de perto o atendimento no Hospital Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste, no final da tarde da quinta-feira (07) onde constatou a falta de estoque de anestesia.

O deputado ficou assombrado com o baixíssimo estoque de anestésico. Em conversa com funcionários, que não quiseram se identificar, e a direção do hospital, Wilker certificou que estoque duraria somente até as primeiras horas desta sexta-feira (08).

“A urgência e emergência só tem anestesia para mais sete ou oito atendimentos, mais tardar na amanhã de sexta-feira. Se acontecer uma tragédia e precisar fazer grandes atendimentos não tem anestésico. Isso é muito preocupante. Vim aqui (no hospital) na condição de deputado, para fiscalizar, e vou continuar fiscalizando”, comentou Barreto, que esteve acompanhado do deputado estadual, Dr. Gomes (PRP);

O parlamentar aproveitou e fez um apelo ao governador Wilson Lima para que reabasteça com urgência o estoque de anestesia, e prometeu ir à Central de Medicamento do Amazonas (CEMA), na tarde desta sexta-feira, para fiscalizar o estoque que atende os hospitais do Estado.

Wilker ainda esteve realizando a visita de fiscalização no hospital Platão Araújo, também na Zona Leste. “A equipe do Platão (Araújo) é de guerreiros. Eles até tentam fazer o atendimento na base do esforço, mas é evidente que lhes faltam condições”, finalizou.