A jornalista Daniela Assayag, pertencente aos quadros do grupo Calderaro de Comunicação, externou na terça-feira, 23, na sua rede social, no Facebook, toda a sua perplexidade e indignação quanto aos disparates preconceituosos dispensados por Amazonino Mendes e seu grupo político a Wilson Lima, candidato ao governo do estado.

Jornalista antenada, atenta aos acontecimentos diários e a realidade não só do estado, mas, também, de todo o Universo, Daniela se declarou Falo como cidadã e uma pessoa que está assustada com o tamanho das calúnias, infâmias e injustiças sofridas por Wilson – um jovem jornalista que ameaça destronar  Amazonino Mendes do poder que há mais de 30 anos controla direta ou indiretamente.

Wilson Lima, segundo defende a comunicadora, não é o “aventureiro” ou o alienígena como tentam adjetivá-lo de forma pejorativa nesses dias sombrios de disputa eleitoral.

“Como tantos amazonenses, à exemplo de Almino Afonso, que se mudou para São Paulo e, depois de ser ministro do Trabalho, conseguiu ser vice-governador do estado mais importante da federação, Wilson Lima escolheu Manaus para fazer sua vitoriosa carreira em comunicação, lembrou a jornalista.

“Está na hora de sairmos da bolha. Os condomínios em que muitos de nós moramos não representam Manaus e muito menos o irmãos sofridos do interior. Vamos tentar olhar além dos vidros fechados dos nossos carros. O mundo é da maioria das pessoas que não tem esses privilégios”, filosofa.

Leia o texto na íntegra

Quem é o Wilson Lima?

Por Daniela Assayag

Tinha três dias no meu novo Emprego quando a porta da minha sala se abre e ouço um “Posso entrar? É que eu queria uma dica se faço na UFAM o mestrado em Comunicação Social ou o mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia porque eu acho que … “. Era o Wilson. O apresentador do programa popular mais famoso da cidade, campeão absoluto de audiência na hora do almoço, às vezes engraçado, às vezes polêmico, que falava com “as massas”, queria fazer … mestrado. Nunca imaginei. Quanto preconceito meu! Isso foi há 4 anos.

Não entro em polêmicas nas redes sociais. Acredito em debates mais amplos e prefiro outros ambientes para isso. Aviso ainda que não falo aqui como amiga, nem colega de profissão e nem antiga chefe no trabalho. Falo como cidadã e uma pessoa que está assustada, revoltada, indignada com o tamanho das calúnias, infâmias e injustiças que o Wilson vem sofrendo porque muitos simplesmente não conseguem compreender como ele se tornou um fenômeno de votos.

Vou tentar explicar:

Wilson é estudioso, dedicado e aplicado em tudo que se predispõe a fazer. Extremamente crítico, de si mesmo, inclusive. E por isso tenta preencher lacunas que TODOS NÓS TEMOS, aceitando com humildade e determinação suas limitações para melhorar sempre. Não é o “aventureiro” que tentam adjetivá-lo de forma pejorativa (Já ouvi chamá-lo de alienígena também). Ao contrário, ele é uma pessoa que busca sonhos sem medo – como tantos amazonenses que se mudaram para outros Estados – escolheu Manaus para fazer sua carreira em comunicação. QUE MAL HÁ NISSO? Melhor deixar essa crítica sobre Preconceito Regional pra lá. É melhor.

Wilson fala a linguagem que as pessoas falam e conhece uma dura realidade que vergonhosamente a maioria de nós desconhece. VAMOS SAIR DA BOLHA: OS CONDOMÍNIOS EM QUE MUITOS DE NÓS MORAMOS NÃO RESPRESENTAM MANAUS E MUITO MENOS OS IRMÃOS SOFRIDOS DO INTERIOR DO NOSSO ESTADO. Vamos tentar olhar além dos vidros fechados dos nossos carros. O mundo é da maioria das pessoas que não tem esses privilégios. 

Wilson “é uma figura que não tem perfil para governador?” Façam-me o favor! O que é exatamente alguém com perfil para governador? O próprio Amazonino quando foi indicado em 1983 para Prefeito de Manaus pelo então Governador Gilberto Mestrinho tinha nenhuma experiência na administração pública, então um jovem de 44 anos. E tornou-se um ícone na história do Estado, com erros e acertos. JUVENTUDE E FALTA DE EXPERIÊNCIA NÃO DESABONAM NINGUÉM.

Vencidas as críticas mais óbvias e rasteiras, começaram os insultos graves:

Wilson tem uma Empresa “fantasma” que “nunca empregou ninguém”? Quanta distorção! Existem empresas individuais que prestam serviços e pagam impostos, onde o dono é “patrão” de si mesmo, isso é ser PROFISSIONAL LIBERAL, como são advogados, médicos, dentistas, fonoaudiólogos e … comunicadores que apresentam eventos, gravam comerciais, fazem locuções. NINGUÉM É OBRIGADO A SER PATRÃO DE NINGUÉM. É SIM OBRIGADO A SER HONESTO E PAGAR IMPOSTOS PELO SERVIÇO QUE EXECUTA.

Wilson vai pagar indenização para famílias de presidiários mortos em briga de facção criminosa no presídio? Que sórdido uso eleitoreiro de uma LEI FEDERAL que OBRIGADA O ESTADO – SEJA QUEM FOR O GOVERNADOR – a fazer o pagamento se a Justiça assim determinar. Sim, o vice dele defendeu o pagamento porque era DEVER DE OFÍCIO COMO defensor público.  A lei é absurda? Isso é outra discussão.

Wilson foi negociar a compra de votos no interior com um traficante de drogas? Bem, afirmação de tão absurda, não merece que percamos muito tempo com ela. É só assistir o vídeo onde um subjugado bandido interpreta um depoimento e tirar as próprias conclusões. O vídeo com o depoimento fala por si. Ele é um ator bem ruim.

Por fim, não posso deixar de externar a minha decepção com pessoas que tenho consideração pessoal e profissionalmente, mas que por desinformação, interesse próprio ou má fé mesmo se dispõe a promover boatos por aí, estes que têm o nome moderno de fakenews porque usam a tecnologia para disseminar o mal de forma mais rápida e abrangente. Me entristece que uma estratégia tão indigna surta algum efeito nas pessoas, ainda que este efeito maligno seja apenas a dúvida.

Lembre-se que todos nós – você inclusive – pode a qualquer momento ser vítima de acusações, dissimulações e mentiras que tentam destruir você, suas verdadeiras intenções e sua história simplesmente porque alguém acha que você não tem o direito de estar no lugar que está.