Foto: Jonatan Morel
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O governo de São Paulo determinou na última sexta-feira (27), o confisco de 500 mil máscaras para profissionais de saúde da empresa 3M, com sede em Sumaré (SP), como uma das medidas para enfrentamento da epidemia do novo coronavírus no estado. A empresa afirmou ter ficado surpresa com a ação que envolveu a polícia, pois havia se comprometido a fornecer o material. As informações são de G1 e O Liberal.

A ação foi tomada baseada no artigo 3 da lei federal 13.979, de fevereiro deste ano, que trata de uma série de medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública.

 “Art. 3º – Para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus, poderão ser adotadas, entre outras, as seguintes medidas: VII — requisição de bens e serviços de pessoas naturais e jurídicas, hipótese em que será garantido o pagamento posterior de indenização justa”.

A ação que foi organizada pelas Secretarias de Estado da Saúde e de Governo, teve o apoio da Polícia Civil. O governo afirmou que esteve na fábrica para “entregar ofício de requisição à diretoria da empresa”, mas não explicou a presença de policiais civis.

O que diz a 3M

Em nota, a 3M destaca que ficou surpresa com a ação do governo de São Paulo, uma vez que havia se comprometido a fornecer 120 mil respiradores [máscaras de uso dos profissionais de saúde] ao longo de abril e que aprovou a expansão do volume para 500 mil, aguardando apenas a colocação do pedido por conta do governo. Além disso, a 3M diz que aumentou sua produção e “tem investido esforços para fornecer a todos dentro de sua capacidade produtiva”.

Veja nota na íntegra:

“A empresa esclarece que vem recebendo diversas solicitações de respiradores, de órgãos públicos de todo o País. Especificamente com relação ao governo do estado de São Paulo, a empresa ressalta que já havia se comprometido com o fornecimento de 120 mil respiradores ao longo do mês de abril e que aprovou a expansão deste volume para 500 mil, aguardando apenas a colocação do pedido por conta do Governo. A ação do governo do Estado, portanto, causa surpresa para a empresa. A companhia reforça que aumentou sua produção e tem investido grandes esforços desde o início do surto, e trabalha para fornecer a todos dentro de sua capacidade produtiva. A empresa está comprometida a continuar apoiando e colaborando com a saúde pública no que se refere ao coronavírus.”

Procura por máscaras

No Brasil, o preço da máscara subiu 569% de acordo com a Anahap (Associação Nacional de Hospitais Privados). Para especialistas, a melhor maneira de combater esse medo que toma a população mundial com o avanço da epidemia está na informação.

Segundo um estudo elaborado por universidades britânicas, baseado em dados sobre a propagação do vírus na China, a taxa de mortalidade do SARS-CoV-2 estaria entre 0,66%, quando considerado os casos subnotificados, e 1,38%, analisando apenas os testados em laboratório. O artigo, publicado na segunda-feira (30/03) na revista The Lancet Infectious Diseases, foi baseado em 70.117 casos clínicos diagnosticados no país oriental.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •