Por dias, Luís Carlos Gonçalves Zaluski, natural de Ponta Grossa (PR), ficou abandonado em um quarto no bairro do São Jorge (Montagem Fato Amazônico)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O paranaense Luiz Carlos Gonçalves Zaluski morreu no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, vítima de câncer na próstata, com metástase no fígado e outros órgãos do debilitado corpo inerme.

Como milhares de filhos bastardos, renegados pela “mãe gentil”, Luiz Carlos Gonçalves Zaluski não conseguiu vencer o decadente Sistema Único de Saúde (SUS) e o desprezo dos entes que o representam e morreu depois de perambular, moribundo, em busca de atenção nas principais unidades de saúde de Manaus (clique aqui e saiba mais).

Chegar ao PS 28 de Agosto, sábado (29), para morrer no dia seguinte, domingo (30), Zaluski contou a humanitária compaixão de uma delegada de polícia, que terá o nome mantido sob sigilo, que abraçou a causa do paciente assim que teve acesso à reportagem do site.

Infelizmente, era tarde demais.

Zaluski morreu.

Longe dos parentes, sem ninguém que o reconheça em Manaus como cidadão, Zaluski pode ser enterrado como indigente.

O corpo, segundo informou o sargento PM, Walder Kelly Lopes Cortezão, que acompanhou de perto os últimos dias do desventurado filho indigente, está na geladeira do PS até que apareça um parente e o tire de lá e a ele seja dado um funeral digno.

DIÁRIO DE UM PACIENTE DO SUS 28 de julho

PARTE 1

O relato a seguir não se trata de um caso isolado de um paciente que há quase 10 anos infartou em sala de aula e que, a partir desse momento, travou, quase sem trégua, uma corrida em busca de tratamento. Pré-agendado, diga-se de passagem.

O paciente, que não terá, também, o nome revelado, além do problema no coração, tinha e tem a próstata a aumentada com necessidade de cirurgia.

Embora não conste do seu diário, até hoje não conseguiu operar. E por conta disso, a cada crise é internado, com uma sonda na uretra, no PS 28 de Agosto até sair da crise.

Leia o diário, Parte 1 e Parte 2.

“Fui submetido ao cateterismo que revelaria a situação do meu problemático coração após quase 5 anos de espera”

Após 8 meses de peripécias da espera imposta pelo SUS, afinal, ontem (27 do mês de junho), fui submetido ao cateterismo que revelaria a situação do meu problemático coração apos quase 5 anos de implante de marca-passo.

Tal exame não deveria demorar mais de 20 minutos, mas quando o cirurgião, Dr. Rodrigo, viu que 99 por cento da principal veia do coração estava bloqueada percebeu que eu corria RISCO DE MORTE á curto prazo e decidiu desbloqueá-la e implantar 2 STENTS nela.

Uma segunda desobstrução será feita brevemente.

Estou em convalescença de risco, pois a próstata inchou e fui pra sonda, que pode agravar os cuidados médicos co-relacionados.

Mas talvez eu receba ALTA amanhã (29 junho), porém terei restrições impeditivas diversas durante a recuperação.

Percentual riscos: morte 15, avc 14, rejeição/pós-operatório 24, falta de grana pra sobreviver 100 (aceita-se contribuições). Possibilidade ajuda: DEUS 100. Parentes, amigos e afins…???????

PARTE 2

30 de junho

“Se houver mais desgraças a relatar eu o farei antes de suicidar-se

Estou ótimo e super-bem tratado aqui no Francisca Mendes e talvez tenha alta (seg 1 jul) se não aparecer nova complicação.

A hemorragia prostática parece controlada e o risco de morte até sexta-feira são mínimos 75 por cento.

Já morte em menos de um ano são desprezíveis 45 p cto se eu mantiver 100 p/cto da prescrição médica.

Ainda falta uma veia pra desentupir mas o procedimento, depois da fácil e prática batalha burocrática imposta pelo SUS será feito com a necessária urgência talvez nos  próximos 2 anos (o que é “fichinha” pra quem já tem 78 anos).

Todavia, dizem os médicos, vencidas essas breves etapas a vida será NORMAL pra mim que apenas terei que evitar subir escadas, carregar pesos acima de 1 kg, subir em ônibus (descer pode), tocar instrumentos de sopro, nem participar de procissões, carnavais, desfiles gays etc…

Ah, também não poderei mais viajar em batiscafos e módulos lunares e isto me deixa deprimido.

Última desgraça… digo, “notícia”:  

por força da medicação meus rins estão em quase colapso e apesar de ainda não ocorrer hemodiálise serei submetido a tratamento intensivo por tempo indeterminado (3 dias a 3 meses) o que é ótimo e animador.

O único problema é q se eu passar muito tempo aqui morrerei de fome pois a comida deste hospital é intragável.

Mantenham os papa-defuntos em alerta pois se houver mais desgraças a relatar eu o farei antes de suicidar-se. Beijão!

Ciao bambino! Tocou silêncio nesta merda e vou dormir…ou morrer durante a noite. Se houver amanhã à gente se fala ou se vê. Valeu!


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •