Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Muitos são os que hoje falam em responsabilidade, mas poucos são os que sabem o que isso significa. Responsabilidade é uma grande virtude, num mundo marcado pela irresponsabilidade e pela falta de compromisso, quem é responsável pode ser considerado um ser humano nobre, uma espécie em extinção.

É impressionante observar como as pessoas estão se tornando cada vez mais irresponsáveis. Atitudes simples, como por exemplo, chegar no horário combinado, não faltar ao compromisso agendado, etc., estão ficando cada vez mais raro.

Algumas pessoas, para não ter trabalho, buscam nisso uma compensação, e nunca mudam, isto é, ficam estacionadas e argumentam que o mundo é assim, dos mais espertos. Se tudo na vida muda, por que essas pessoas não mudam? Por que continuam agindo irresponsavelmente?

É verdade que estamos num mundo de mudanças, em constante transformação. Mas os valores não mudam. Quem é bom, justo, honesto, solidário, vai ser sempre assim! O que muda é a nossa forma de pensar, de fazer, de olhar, de observar, de praticar, de conceber, de ser.

As mudanças exigem de nós capacidade de flexibilização. É impossível o homem contemporâneo ser feliz sem ser flexível. A flexibilidade é uma virtude da boa convivência. Relacionamentos sinceros, negócios bem sucedidos, têm como pilar à flexibilidade. No entanto, não há diferença entre ser flexível e ser responsável. São atitudes complementares.

A flexibilidade é aquilo que nos garante credibilidade diante de nossos pares. Pessoas flexíveis são mais confiáveis, do que pessoas intransigentes! Quem gosta de fazer negócio ou está do lado de pessoas irresponsáveis? Ninguém, não é mesmo! Como diz o poeta, “a vida é muito curta para ser desperdiçada com gente ruim”. O bom da vida é estar do lado de pessoas felizes, alegres, amorosas; do lado das pessoas que amamos.

Ninguém deixa de ser responsável ou justo só por estar do lado de alguém que é insensato. No entanto, parece que os loucos exercem um poder hipnótico sobre os bons. Particularmente prefiro conviver com pessoas de valores elevados do que do lado de pessoas que só pensam em coisas erradas. É como diz aquele outro poeta, “o mal atrai o mal”.

 Infelizmente, na sociedade atual, como temos pessoas que só pensam em se dar bem na vida. E para que seus objetivos sejam alcançados pisam nos outros, fazem falcatrua, roubam! Essa forma de agir não pode prosperar diante de um povo de bem. A sociedade deve reagir a toda atitude antiética, a toda atitude que venha prejudicar a coletividade.

A responsabilidade é algo que se aprende desde criança. Claro que se aprende, também, quando adulto. Só que aí exige do candidatado maior esforço, maior dedicação. Será que os adultos estão dispostos a pagar esse alto preço? Acreditamos que não, porque são eles os mais irresponsáveis! Adultos irresponsáveis são perigosos porque não conduz à segurança da ação, perde-se a confiança nessa pessoa.

Pessoas responsáveis são as que contribuem com a evolução moral da sociedade. Muitos de nós, mesmo sufocados pelos compromissos diários e atropelados por uma quantidade exaustiva de obrigações, não deixamos de honrar nossos compromissos porque acreditamos que um dia as coisas serão diferentes. Por fim, acreditamos que o mundo ainda será dos homens responsáveis!

Luís Lemos

Filósofo, professor universitário e palestrante. Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2011), O homem religioso – A jornada do ser humano em busca de Deus (2016); Jesus e Ajuricaba na Terra das Amazonas: Histórias do Universo Amazônico (2019). E-mail: [email protected] | Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC94twozt0uRyw9o63PUpJHg


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •