Foto - Jacqueline Lisboa/Especial para o Metrópoles
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Vizinhos de Vanderson de Almeida, 22 anos, suspeito de esquartejar e guardar o corpo da ex-namorada Ketley Estefany Silva Nascimento, 17, dentro de um freezer, viram o açougueiro conversando com amigos em frente à casa dele na manhã seguinte ao crime. O caso ocorreu em Águas Lindas (GO), município goiano localizado no Entorno do Distrito Federal.

Ele foi encontrado na quinta-feira (23/01/2020), após fugir para a Bahia. A Justiça decretou a sua prisão preventiva.

De acordo com uma vizinha, que não quis se identificar, durante a manhã e parte da tarde de domingo (19/01/2020), Vanderson esteve sentado na calçada e também bateu papo com alguns amigos na porta da residência, mas não deixou ninguém entrar. “Depois, mais para o meio da tarde, ele pegou o capacete e foi andar de moto com eles”, relata a vizinha.

Ele próprio não chegou a conversar com Vanderson depois do crime, mas relata que outros amigos ouviram do açougueiro uma história estranha. “Disse que não lembra de nada do que aconteceu. Teve um apagão”, explica.

Fuga

Na segunda de manhã (20/01/2020), por volta das 4h30, é que o suspeito fugiu de casa. “Pegou a moto e ninguém viu mais. Só à tarde é que a polícia chegou aqui e a gente tomou conhecimento do que aconteceu”, lembra o amigo.

Uma outra vizinha, que também preferiu ter a identidade preservada por medo, afirma que Vanderson era muito reservado e pouco conversava com as pessoas, normalmente. “Entrava e saía de casa com o capacete. Só isso”, resume.

Mesmo morando bem próximo ao imóvel onde aconteceu o esquartejamento, ela diz não ter ouvido nada de estranho durante o fim de semana.

Outro morador da rua se diz aterrorizado. “A gente vê isso acontecendo na TV e depois se passa na frente de casa. É complicado”, diz.

Investigações

Vanderson foi encontrado quinta-feira (23/01/2020) na cidade de Luís Eduardo Magalhães. No mesmo dia, a polícia o levou de volta para Águas Lindas.

Segundo o delegado do Grupo de Investigações de Homicídios (GIH), Cléber Junio Martins, o jovem confessou o feminicídio. Ele não gostou de ver mensagens trocadas com outro homem no celular dela. “Já teria acontecido uma traição anterior. Ele perdoou, mas agora estaria acontecendo novamente”, explica.

“Logo depois, ela foi para a casa de uma tia, na Cidade Ocidental, e passou mais de um mês por lá”, detalha. No sábado (18/01/2020), no entanto, Vanderson teria ido até o endereço da tia e convencido a adolescente a voltar para casa. “A suspeita que temos é a de que ele matou a garota já no sábado pela noite”, diz Danilo.

Na segunda-feira, a polícia começou a procurar o suspeito por causa de uma denúncia feita pelo próprio pai de Vanderson. (Metrópoles)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •