Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Pavão é uma linda ave de plumagem exuberante, de cores intensas, multicoloridas e em tons de branco, azul, verde, dourado ou negro,  que encanta os olhos e, também, os corações.

A cauda da bela ave é uma arte viva que o ser humano cobiça, arranca, comercializa e utiliza para ostentar como objeto de enfeite, fantasia e decoração. Muitos outros adjetivos, muitos outros, como os já descritos aqui, podem ser facilmente   encontrados no Google. Vale a pena conferir e se encantar.

Agora se o “pavão” nada tem a ver com a bela ave, como  o “Ramal do Pavão”, no município de Tefé (AM), a história é muito diferente.

Nada sugere encanto ou paixão.

O Pavão, ou melhor, o Ramal do Pavão de Tefé, é horroroso, horripilante, tétrico, a fotografia real do feio, que de tão feio nem mesmo a privilegiada imaginação do consagrado escritor Victor Hugo tal feiura – nada a ver com Quasímodo – seria capaz de descrevê-la.

A adolescente Darlene Ferreira, moradora da comunidade do “Pavão” gravou um vídeo, algo que até então ninguém – prefeito (Normando Bessa-PMN), vereadores, promotores de justiça, delegado, policiais, o bispo, o capelão, o escoteiro, enfim… – ousaram falar das precárias condições de conservação do tal ramal.

Darlene Ferreira mostrou, sem medo de ser feliz, por sua conta e risco, sem nenhum interesse promocional ou político, a vergonha que se esconde bem distante, no meio da floresta amazônica, longe os encapetados palácios que abrigam os fiscais da lei.

E vejam, que em setembro deste ano, o governador Wilson Lima, anunciou em versos e prosa, durante a cerimônia do Plano Safra Amazonas 2019/2020, a liberação de R$ 15 milhões para recuperação de estradas e ramais dos municípios do interior.

Entre os beneficiados estava, nada mais, nada menos, o tal do ramal do Pavão.

E o que foi feito? Nada.

Hoje, graças a louvável ousadia da adolescente, sabe-se que o Ramal do Pavão é só lama. E não adianta choramingar.

Querem escoar a produção? Que ponham o saco de pupunha ou mandioca nas costas e  pés na lama.

Querem chegar à escola da comunidade? Que ponham os pés na lama e muito cuidado para não cair e pegar aquela vaia dos coleguinhas.

Uma vergonha. Nem uma carroça para transportar os moradores da comunidade.

Melhor assim, porque não seria justo impor tamanha humilhação aos “jericos”, entenderam, não?, da cidade.

Vejam o vídeo


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •