Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O azeite de oliva é um alimento que acompanha o homem há milênios. Em Portugal, atualmente o segundo maior produtor mundial de azeite, encontra-se a Ourogal, uma fazenda que existe há mais de 150 anos, onde é produzido o legítimo Azeite Dedé, desde 2017.

Ao considerar o bem-estar alimentar das pessoas que consomem azeite e as delícias da gastronomia que podem ser preparadas com o produto, o chef Dedé Parente faz parceria com a Ourogal, marca de prestígio que produz azeites de categoria superior mantendo a riqueza de sabores e aromas inatos às azeitonas, cultivadas por meio de agricultura sustentável, no qual o resultado é um sumo 100% natural.

Qualidade

O Azeite Dedé carrega em seu DNA os sabores refinados das oliveiras Galega e Cobrançosa. “O azeite extraído dessas variedades tem características complexas no seu paladar. O frutado de maçã, a frescura de herbáceos e a persistência de frutos secos (tipo amêndoa ou noz) fazem da mistura deste azeite uma personalidade distinta e diferenciada dos outros azeites”, explica André Luís Lopes, especialista em azeites e produtor da Ourogal.

O produtor esclarece ainda que o frutado do azeite são as sensações olfativas e sensoriais na boca que se relacionam com frutas, legumes ou outras sensações, tipo manteiga, chocolate, pimentas, etc.

De acordo com o especialista, a qualidade do Azeite Dedé é proveniente de seu processo de produção, que conta com a primeira extração, prensagem a frio, e baixíssima acidez, bem como com as características de um bom azeite, como ser extraído de azeitonas saudáveis e frescas.

“O extravirgem, extraído de azeitonas sãs e frescas, com acidez até 0,8%. Mas atenção, um azeite com 0,2% ou 0,5% podem ser só virgens e não extravirgem. O que vai mandar é a prova sensorial, ou seja, se o azeite está equilibrado e não tem defeitos no sabor”, destaca André.

Alerta

Na contramão de notícias de fraudes de azeites no Brasil, o especialista André Lopes alerta que é um crime grave contra o bem-estar alimentar dos consumidores. “Um azeite fraudado normalmente é uma mistura de óleos que nada tem a ver com o sumo da azeitona”, explica.

Ele ainda esclarece que normalmente esses azeites fraudados apenas apresentam uma porcentagem mínima de óleo de bagaço de azeitona (azeite refinado) e o restante, mais de 90%, de outros óleos vegetais, em sua maioria alterados.

Culinária

Com a procedência de qualidade garantida, o Chef Dedé Parente afirma que além de comercializar os Azeites produzidos pela Ourogal, o produto refinado também faz parte da lista de prioridades para preparar todos os pratos do cardápio que são oferecidos na rede de lojas Cachaçaria do Dedé.

Durante viagem a Portugal, em encontro com o produtor da marca Ourogal, André Lopes, o Chef Dedé preparou alguns pratos típicos da Amazônia que conquistou o paladar dos portugueses, como o Tambaqui grelhado com Azeite Ourogal, acompanhado de tucupi, jambu e farinha do Uarini. 

 

Ourogal

A fazenda de onde são colhidas as azeitonas das Oliveiras em solo propício e tratadas de forma especial existe há mais de 150 anos na família. O produtor da marca, André Luís Lopes, que está na atual gestão da empresa há mais de 20 anos, afirma que a Ourogal alia a experiência com a mais moderna tecnologia e produz apenas azeites extraídos a frio.

“Controlar todo o processo desde a colheita ao engarrafamento, permite à Ourogal garantir de uma forma constante, não só um azeite equilibrado medianamente frutado, leve e persistente, mas também a segurança dos azeites da marca”, explica o produtor da marca, André Luís Lopes.

Além disso, o azeite Ourogal tem recebido o reconhecimento dos melhores chefs e concursos do mundo, alguns dos quais New York IOOC, AVP em Paris e Mario Solinas em Madrid.

No espaço do campo de plantação e colheita das oliveiras se encontra a intitulada “Oliveira do Mouchão” (nome regional em Portugal), que tem 3350 anos, e foi considerada desde 2016 como “Árvore de interesse público por aviso nº 4 de 02/01/2007 da direção-geral dos recursos florestais”.

Curiosidades

Registros apontam que o cultivo da azeitona remonta a 3.500 a.C, o que daria cerca de 5.500 anos de experiência com a fruta e o azeite. Ao longo dos séculos a azeitona tem sido utilizada como alimento e o azeite, porque tem extensa durabilidade, podia viajar nos barcos em longas viagens.

O azeite também foi usado como remédio, fonte de energia e protetor contra o frio. As oliveiras são uma das plantas citadas na Bíblia Sagrada, e azeites eram utilizados em diversos rituais religiosos no mundo árabe. Na Mesopotâmia era usado até mesmo como ferramenta de guerra: nas batalhas os soldados se besuntavam com azeite para ser mais difícil serem agarrados.

Da Grécia e também pelas mãos dos árabes, a oliveira acabou encontrando solo propício em Portugal (hoje o segundo produtor mundial), se alastrou para a toda a península ibérica e Espanha (hoje o primeiro produtor mundial) e veio com os conquistadores para a Argentina e Chile, na América do Sul. 


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •