Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A indefinição do governo de fazer chegar à Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) uma nova Lei do Gás em substituição a que foi aprovada pelo Poder Legislativo e vetada pelo governador Wilson Lima, preocupa a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Segundo informações publicadas nesta terça-feira, 18, pela revista Época, a ANP teme que a insegurança jurídica esfrie os ânimos dos investidores não só de participar do leilão de oferta permanente, mas também de fazer lances.

Outra preocupação da ANP é com a desconfiança do mercado com a saída da Petrobras do Amazonas.

Confira Matéria

A ANP teme que a insegurança jurídica causada pela ausência de definição do marco legal do gás no Amazonas resulte em falta de boas propostas para os blocos que serão ofertados no leilão de oferta permanente, em que as empresas não precisam esperar o dia do leilão para fazer um lance.

O Amazonas discute o novo marco desde abril. O projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa do estado foi vetado por Wilson Lima, que se comprometeu a enviar um novo texto. Três meses depois, não há sinal da proposta.

A ANP também se preocupa que o clima de desconfiança no mercado — intensificado pela recente saída da Petrobras do estado — afete o apetite de investidores nos blocos.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •