Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O escritor Olavo de Carvalho, que é guru de uma porção atualmente enfraquecida no governo de Jair Bolsonaro (sem partido), nunca se vangloriou de ser próximo de Steve Bannon e reclamou quando um livro publicado nos EUA o colocou no “círculo íntimo” do ex-estrategista de Donald Trump que foi preso nesta quinta (20/8).

Antes de Bannon entrar na mira das autoridades sob a acusação de fraude, porém, Carvalho sempre o tratou de maneira elogiosa e chegou a comemorar sua proximidade com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/SP).

“O elogio enfático do presidente Trump ao Eduardo Bolsonaro, o político brasileiro mais amigo do Steve Bannon, já basta para mostrar que, das relações entre Trump e Bannon, os palpiteiros da mídia nacional não sabem porra nenhuma”, disse Olavo em postagem de março de 2019.

O professor on-line de filosofia também já recebeu uma visita de Bannon em sua casa nos EUA e teve um evento de exibição de um filme sobre sua obra bancado pelo empresário em um hotel que pertence à rede de Trump. Sobre o americano, Olavo já disse se tratar de um “conservador interessantíssimo”.

Agora, que Bannon foi preso sob a acusação de desviar dinheiro de uma campanha para o financiamento do muro entre o México e os EUA, Olavo de Carvalho quer distância. Veja postagem do extremista na tarde desta quinta:

Postagem de Olavo de Carvalho ironizando quem o relaciona com empresário que foi preso
Prisão

Além de Bannon, outros três associados do empresário foram indiciados por desviar recursos da campanha. Eles levantaram em doações mais de US$ 25 milhões (cerca de R$ 140 milhões).

“Os acusados fraudaram centenas de milhares de dólares dos doadores, capitalizaram em nome do interesse de financiar o muro milhões de dólares, sob o falso pretexto de que o dinheiro seria usado na construção”, afirmou a promotora Audrey Strauss. (Metrópoles)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •