Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Folha de S.Paulo – A reunião no Salão Oval no início de março deste ano começou, assim como muitas outras, com o presidente americano, Donald Trump, esbravejando sobre imigrantes.

Mas desta vez ele tinha uma solução. Enquanto assessores da Casa Branca ouviam atônitos, Trump ordenou que eles fechassem todos os 3.200 quilômetros de fronteira com o México até o meio-dia do dia seguinte.

Os conselheiros temeram que a ordem do presidente deixaria turistas americanos presos no México, assim como crianças que estudam em escolas americanas ou mexicanas, mas moram do outro lado da fronteira. A medida poderia ainda criar um caos econômico entre os dois países.

No entanto, eles também sabiam que a enorme preocupação de Trump em impedir a imigração tinha levado o presidente a buscar soluções, uma cada vez mais extrema que a outra.

Em privado, o presidente já havia falado sobre construir um muro fortificado com um poço cheio de cobras e crocodilos, inclusive pedindo uma estimativa de custo aos seus assistentes. Ele queria que o muro tivesse uma cerca elétrica com lanças no topo capazes de perfurar o corpo humano.

Depois de sugerir em público que os soldados americanos atirassem em imigrantes quando estes jogassem pedras, o presidente acabou recuando da ideia quando seus assessores disseram que isso seria ilegal.

Porém, em uma reunião posterior, ele sugeriu que os militares atirassem nas pernas dos imigrantes para que eles não conseguissem escapar. Isso também não é permitido, sua equipe afirmou.

“O presidente queria que o problema fosse solucionado logo”, disse Thomas D. Homan, que foi diretor interino de Fiscalização Imigratória e Aduaneira.

A ordem de Trump de fechar a fronteira marcou o início de uma semana cheia de episódios de raiva do presidente, assessores em pânico e muito mais tumulto na Casa Branca do que era o normal até então.

Hoje em dia, num momento em que Trump se vê cercado de conselheiros menos dispostos a confrontá-lo, sua ameaça de fechar a fronteira ainda existe. “Eu tenho autoridade absoluta para fechar a fronteira”, disse ele ao New York Times em uma entrevista no meio deste ano.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •