Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O autor Ricardo Azevedo esteve em Manaus nesta sexta-feira (05/07) para duas agendas: o lançamento do projeto Planeta Leitura no Amazonas e a contação de uma história para estudantes do Ensino Fundamental da Escola Estadual Aristóteles Comte Alencar, no bairro Coroado (zona leste). 

O escritor autografou livros e conversou com as crianças de sete anos sobre a importância da leitura e da interpretação do texto. “Muitas vezes na vida, eu li uma história e, a partir dela, entendi melhor sobre minha vida real. Além disso, o livro tem o poder de nos levar a outros mundos, fora da sala de aula também, e este aprendizado é muito importante para todos nós”, ressaltou Azevedo aos estudantes.

E este é o foco do Projeto Planeta Leitura no Amazonas, lançado pela manhã, no Centro de Formação Pe. José Anchieta  (Cepan), na Secretaria de Estado de Educação (Seduc-AM): o desenvolvimento de leitores para melhoria na qualidade de vida futura. 

O titular da Seduc-AM, professor Luiz Castro, assinalou que o Projeto será inicialmente implantado em escolas da capital, em formato piloto. A parceria começa em Manaus e já com trabalho previsto para o interior, nas instituições de Ensino Fundamental I.

“Sabemos do alto índice de analfabetismo funcional e a leitura vem para fomentar o pensamento crítico e a educação também fora da sala de aula. Ler é essencial para a melhoria da qualidade de vida de qualquer pessoa e queremos oportunizar isto a fim de garantir mais conhecimento aos nossos estudantes”, salientou Luiz Castro.

Lançamento – A palestra “Mediação da Leitura” foi proferida por Ricardo Azevedo, que possui um extenso currículo como escritor, ilustrador e pesquisador. Ele é vencedor de diversos prêmios Jabuti pelas obras “Alguma Coisa” (Editora FTD), “Maria Gomes” (Scipione), “Dezenove Poemas Desengonçados” (Ática), “A outra enciclopédia canina” (Cia. das Letrinhas) e “Fragosas brenhas de mataréu” (Ática), entre outras.

O autor falou dos diversos tipos de gêneros literários encontrados atualmente e como é possível trabalhar em sala de aula com cada um deles. Para Ricardo, a leitura auxilia no imaginário, levando a mundos e percepções diferentes em apenas algumas páginas, sem sair do lugar.

“A mediação da leitura é de fundamental importância no início da formação de leitores, para uma melhor compreensão e alcance dos universos que os livros nos dão, de forma crítica e lúdica, especialmente nos alunos pequenos”, afirmou Azevedo. 

O Projeto – O Projeto Planeta Leitura é composto por duas frentes: a criação de um acervo para as escolas participantes, com a ‘Coleção Educacional Planeta Leitura’, e a promoção e formação de mediadores de situações didáticas de leitura na escola. 

A qualificação é realizada por meio de cursos acessados por uma plataforma virtual, de oficinas formativas presenciais e de um suporte impresso, o “Guia de Orientações Didáticas para o Professor”. Tanto os cursos e quanto os guias são destinados aos professores (que recebem Certificação de Extensão Universitária) e coordenadores distritais de Educação.

Em formato impresso, a Coleção Educacional Planeta Leitura está organizada em maletas, por ano de escolaridade (1º e 2º anos do Ensino Fundamental), com o objetivo de possibilitar o acesso aos livros e a vivência de situações significativas de leitura.

“O projeto que está sendo lançado hoje é um embrião de algo que deverá ser maior, de uma parceria que queremos ampliar posteriormente, para mais escolas tanto da capital quanto do interior. Este é o nosso primeiro passo, em conjunto com a Editora Melhoramentos e o premiado autor Ricardo Azevedo”, explicou professor Luiz Castro.  

O evento contou com a presença dos secretários executivos adjuntos da Seduc-AM Luíz Fabian (Estado), Ana Maria Araújo (Interior) e Francisco Barradas (Pedagógico), além da diretora do Cepan, Adriana Moreno, coordenadores Distritais de Educação, gestores e professores das escolas rede pública estadual.

O lançamento foi promovido pelo Departamento de Políticas e Programas Educacionais (Deppe), por meio da Gerência de Ensino Regular (GER) e a Coordenação de Ensino Fundamental (CENF) da Secretaria de Educação.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •