Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

METRÓPOLES – O presidente Jair Bolsonaro se recusou a comentar os dados sobre o desmatamento divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) na segunda feira 18/11.

Na sequência, ele disse que não abriria o conteúdo da conversa que teve com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que irá se reunir com governadores da região amazônica. Os dois reuniram-se na manhã desta terça-feira 19/11 no Palácio do Planalto.

“Foi uma conversa reservada com o ministro. Eu não posse ter uma conversa com o ministro em reservado e depois abrir para vocês aqui”, disse.

Ao participar da cerimônia de hasteamento da bandeira em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro tentou creditar o recorde de desmatamento aos governos petistas. “Lembra quando a Dilma era ministra. Quando a Marina era ministra. Foi recorde de desmatamento”, disse Bolsonaro, irritado com as perguntas sobre o assunto.

O presidente não quis também falar sobre a reforma administrativa. “Falem com o Guedes”.

Inpe
O desmatamento na Amazônia subiu 29,5% entre 1º de agosto do ano passado e 31 de julho deste ano, na comparação com os 12 meses anteriores, atingindo a marca de 9.762 km². É a mais alta taxa desde 2008. Percentualmente, é também o maior salto de um ano para o outro dos últimos 22 anos. Entre agosto de 2017 e julho de 2018 o corte raso da floresta tinha atingido 7.536 km².

A taxa ficou pelo menos 1.500 km² acima da tendência de aumento do desmatamento que vinha sendo observada a partir de 2012. Segundo técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), se a taxa seguisse a tendência dos últimos anos, teria ficado em torno de 8.278 km².

Essa é a análise preliminar do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), o sistema do Inpe que fornece a taxa oficial anual de desmatamento da Amazônia. Os dados foram divulgados na manhã desta segunda-feira (18/11/2019), na sede do Inpe, pelos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •