Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Brasília, DF… [ASN] Como primeira ação da campanha Quebrando o Silêncio no Distrito Federal, foi realizada uma sessão solene na Câmara Legislativa na noite da última quarta-feira, 28 de maio. Na ocasião, líderes da Igreja Adventista apresentaram os projetos que realizarão nos próximos dias alertando a sociedade a respeito de temas como o turismo sexual e o abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Em Brasília as ações serão concentradas durante o período da Copa do Mundo.

Elas acontecem dos dias 8 a 11 de junho, semana que antecede o primeiro jogo do campeonato mundial. Um grupo de voluntários realizará a distribuição de folhetos e revistas educativas em português e inglês em pontos estratégicos da capital.

A sessão solene foi presidida pela deputada Celina Leão, presidente da Comissão de Assuntos Sociais, que em diversos momentos reconheceu a importância do projeto para a capital do Brasil. “Ficamos felizes em poder contar com a Igreja Adventista para debater o tema e criar ações preventivas para o combate do turismo sexual, um crime que deve ser enfrentado com firmeza”, conclui Celina.

Parcerias

Estiveram presentes nessa ocasião representantes de diversos órgãos públicos e secretarias que trabalham o enfrentamento da exploração e abuso sexual, assim como a coordenadora do projeto Quebrando o Silêncio para a América do Sul, Williane Marroni. Na avaliação dela, o reconhecimento e a parceria de órgãos públicos fortalece o propósito da campanha e coloca essas temáticas sociais em destaque.


Na foto, líderes da Igreja Adventista e coordenadoras do Projeto Quebrando o Silêncio. Para eles, as parcerias e o reconhecimento de órgãos, entidades e da própria sociedade são fundamentais para fortalecer o projeto

“Esse ano nós tivemos um ambiente muito propício para se unir à comunidade e tratar de um tema que está em evidência. Hoje, o que aconteceu aqui foi a união de mais forças para lutar contra esse crime e oferecer informações e meios de prevenção contra essa triste realidade”, considera Williane. [Equipe ASN, Liane Prestes]


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •