Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

APolícia Civil de Mato Grosso (PCMT) informou na quarta-feira (2/9) ter indiciado a adolescente de 14 anos que matou a amiga, Isabele Guimarães Ramos, também de 14 anos. Os investigadores concluíram que o tiro de arma de fogo não foi acidental.

O episódio aconteceu em julho deste ano, em um condomínio de luxo em Cuiabá (MT). A adolescente que fez o disparo vai responder por ato infracional análogo a homicídio doloso, segundo informações da Polícia Civil.

O pai dela, que é empresário, vai responder por quatro crimes – entre eles, o de homicídio culposo, por ter agido, segundo os investigadores, com imprudência e negligência ao deixar que a filha pegasse a arma.

Além do pai, foram indiciados a mãe (omissão de cautela na guarda de arma de fogo), o sogro (omissão de cautela na guarda de arma de fogo) e o namorado (ato infracional análogo ao porte ilegal de arma de fogo) da autora do disparo.

O namorado da menina que atirou, que também é adolescente, levou duas armas à casa onde ocorreu a morte. Uma das armas, uma modelo Imbel 380, é a que foi usada pela adolescente de 14 anos causando a morte de Isabele.

Não foi acidental

O delegado Wagner Bassi disse que a adolescente que fez o disparo, no mínimo, assumiu o risco da produção do resultado morte, pelo fato de ser devidamente capacitada para uso de armas de fogo, tendo plena condição de saber se a arma estava ou não municiada.

Além disso, a forma como ocorreu o disparo, a 1,44 metro de altura e a 20-30 centímetros do rosto da vítima, com acionamento do gatilho pela adolescente, confirmam a tipificação do ato infracional, segundo ele.

Dessa maneira, a versão apresentada pela adolescente, que disse ter disparado a arma de fogo acidentalmente, não é compatível, segundo Bassi, com o conjunto dos elementos probatórios e laudos periciais levantados pela polícia.

Dinâmica do crime

Para explicar a dinâmica da morte de Isabele Ramos, a Polícia Civil realizou diversas diligências e requisitou perícias, entre elas a reprodução simulada dos fatos para esclarecer pontos necessários à conclusão do inquérito.

Conforme a análise das imagens coletadas na casa e no condomínio, o disparo contra Isabele Ramos ocorreu às 22h do dia 12 de julho, dentro do banheiro do quarto da adolescente.

Naquela tarde de domingo, o namorado da garota de 14 anos que fez o disparo chegou à casa onde ocorreu o crime com duas armas em uma maleta. Ele desmuniciou uma das armas. Depois, a arma foi manuseada pelas pessoas que estavam na residência.

Em uma mesa, na sala de jantar da casa, havia diversas armas expostas (seis no total), onde permaneceram para manutenção, que era realizada pelo pai da adolescente. No local havia sete adolescentes e as armas citadas não tinham um local seguro para guarda.

 

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •