Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

“Não existe amizade entre presidente da Assembleia, governador e presidente do Tribunal. Existe respeito. Josué Neto e Wilson Lima podem ter confiança de que não será amizade, mas, empatia e diálogo”, disse em discurso o desembargador Domingos Jorge Chalub, ao assumir a presidência do Tribunal de Justiça do Amazonas, na manhã desta sexta-feira (3).

“Não vou fazer uma prestação de contas antecipada. Temos que nos focar não em superar, mas em pelo menos minimizar os efeitos da peste que a ciência chamou de covid-19. Primeiro vou procurar homologar o concurso público que o tribunal resolveu por suspender sua homologação. Não vou esvaziar esse assunto”, acrescentou.

De acordo com o presidente, afirmando que está cercado de duas fadas, se referindo as desembargadoras Carla Maria Santos dos Reis, vice-presidente do TJ e Nélia Caminha Jorge, corregedora-geral de Justiça.

Segundo o presidente, os temporários precisam ficar por enquanto porque não há como fazer o treinamento de todos os concursados. “Não podemos, em tempos de pandemia, colocar fora dos nossos quadros quem já está prestando serviço, que seria os temporários, e contratar todos. É preciso treinamento, isso será feito”, disse.

O evento, virtualmente teve a participação do governador Wilson Lima (PSC), o presidente da Assembleia Legislativa Josué Neto (PRTB), o prefeito de Manaus Artur Neto (PSDB), presidente da Câmara Municipal de Manaus, Joelson Silva (Patriota) e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional do Amazonas, Marco Aurélio Choy.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Eustáquio Soares Martins e o ministro do STJ, Mauro Campbell Marques também estiveram no evento.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •