Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Tentando se firmar como uma opção partidária reformista na economia e progressista nos costumes, o Cidadania mudou de nome, atualizou seu estatuto e agora busca rostos novos que representem essa renovação. As conversas com Luciano Huck são o maior exemplo disso. Mas o global não é o único famoso que está na mira da legenda. O Cidadania também está tentando filiar a jornalista Rachel Sheherazade. O convite já foi feito e está sendo avaliado pela apresentadora do SBT, que ficou conhecida por conta das opiniões fortes e controversas.

As conversas com Raquel Sheherazade estão sendo conduzidas pelo dirigente nacional da diversidade do Cidadania, Eliseu Neto. Ele explica que conheceu a apresentadora durante a campanha pela criminalização da homofobia, quando Rachel decidiu contribuir com a proposta encampada pelo partido nas redes sociais.

“Acabamos ficando amigos. Agora, fui visitá-la no SBT. Fui como amigo, mas acabamos conversando sobre política. Falei que ela devia entrar na política, que devia ser candidata. O convite está feito”, conta Eliseu Neto, que passou alguns dias dessa semana com Raquel Sheherazade em São Paulo.

Eliseu diz que, no primeiro momento, Sheherazade fez ponderações a uma possível filiação, dizendo que tem um compromisso com o jornalismo. “Assim como na política, pela televisão ela também consegue afetar a vida de muitas pessoas”, explicou o dirigente do Cidadania. Ele admite, contudo, que, depois de algumas conversas, esse discurso mudou um pouco.

Segundo ele, a apresentadora do SBT está sim avaliando a possibilidade de se filiar ao Cidadania para entrar na vida política. Em um post publicado no Instagram, Sheherazade até brincou com essa possibilidade. Ao postar uma foto ao lado de Eliseu, ela escreveu: “Meu novo parceiro de bancada? Ou a nova parceira de partido?”. Rachel ainda disse que adorou a conversa com Eliseu e pediu para ele voltar sempre.

A possibilidade de trazer a apresentadora do SBT para os quadros do Cidadania tem animado os integrantes da legenda, que é presidida por Roberto Freire. “Ela é a cara do partido. Liberal na economia e progressista nos costumes”, explicou Eliseu, dizendo que Rachel poderia reforçar a bancada do Cidadania no Congresso Nacional. “Ela tem um público alto para um cargo de relevância. Tem posições firmes. Não é só ser celebridade. É preciso ter clareza, posições políticas definidas. Com certeza ela tem isso, tanto ela quanto o Luciano”, explicou. (Com Congresso em Foco)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •