O Comitê fala das rebeliões como as janeiro de 2017 e dos dias 26 e 27 de maio deste ano no Compaj
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Comitê Estadual de Prevenção e Combate à Tortura do Amazonas (CEPC-AM), em nota pública divulgada no dia 31 de maio, declarou que rebeliões como as janeiro de 2017 e dos dias 26 e 27 de maio deste ano revelam a incapacidade do governo de controlar a dinâmica prisional e de assegura a integridade física dos indivíduos presos, permitindo que grupos criminosos imponham  a sua  própria ordem  sobre a massa de presos.

Segundo o comitê, a desordem interna nos presídios locais precisam ser definitivamente superadas e que os os crimes e as mortes nos presídios praticados devem ser rapidamente apurados e responsabilidades impostas.

O comitê declarou, ainda, que quando política de segurança pública e política penal-prisional se confundem os efeitos são desastrosos e logo se fazem sentir.

Segundo o comitê, as rotinas e protocolos do sistema prisional locais são importados da expertise (conhecimento que se adquire pelo estudo, experiência e prática) para a segurança pública e policial.

O EPCT, segundo a nota, destaca que  todos os esforços serão aplicados pelo CEPCT para que se restaure a justiça, a ordem e a boa gestão no sistema prisional de Manaus.

Veja íntegra da nota


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •