Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na última terça-feira, uma reunião da diretoria do Corinthians definiu que para enfrentar a crise imposta pela pandemia de coronavírus, será necessário demitir funcionários e dispensar alguns atletas das categorias de base do clube. No entanto, isso tende a gerar algum atrito com os jogadores do profissional, que haviam topado reduzir o salário com a condição de que a medida impedisse demissões neste período. Deve haver uma renegociação.

Há cerca de um mês os dirigentes do Timão e os líderes do elenco entraram em acordo para que os jogadores tivessem uma redução de 25% em seus vencimentos na carteira de trabalho, sem alteração no pagamento dos direitos de imagem. Tudo isso por conta de uma readequação financeira provocada pela paralisação de vários setores em meio à pandemia da covid-19.

O elenco topou a redução mediante algumas condições, uma delas foi a de que isso pudesse evitar demissões de funcionários do clube, que seriam os mais prejudicados e tiveram corte de 50% a 70% dos salários.

– Temos um grupo de WhatsApp onde tem os líderes em contato direto com a diretoria. Foi passado no começo do mês, bem aceito. Com a condição de que não houvesse demissão. O clube acatou nossa opinião e acertamos a redução sem problema nenhum. Não deixou ninguém descontente. Vamos estar ajudando o pessoal que trabalha no dia a dia do clube – disse o defensor.

Como as demissões devem acontecer nos próximos dias, isso configuraria uma quebra de acordo com as lideranças do grupo e deve dificultar as próximas rodadas de negociação, que já estavam acertadas para acontecer periodicamente. O teor da conversa dependeria da situação financeira do clube e da pandemia. A ideia seria aumentar a porcentagem do corte.

A expectativa é de que será uma conversa mais delicada, pelo reconhecimento de que, de certa forma, houve uma quebra no acordo. O trunfo dos dirigentes é que o dinheiro referente à venda de Pedrinho, adiantado com um banco europeu, possa dar fôlego para os cofres corintianos e mais margem para negociação na próxima reunião, em que se pretendia propor a aplicação de mais de 25% de redução nos salários em carteira de trabalho.

Dificilmente as demissões atingirão o departamento de futebol profissional, mas devem pegar em cheio as categorias de base do clube, contando atletas, comissões técnicas e setor administrativo. Vale lembrar que a crise foi apenas agravada pela pandemia, uma vez que o balanço de 2019 fechou com déficit de R$ 177 milhões e uma dívida acumulada de R$ 665 milhões. (Portal R7)


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •