Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

5 meses se passaram desde a morte bárbara da jovem de Heloísa Medeiros da Silva, de 17 anos e Michael Saboia de Souza, 19, principal suspeito, continua foragido. Em contato com o Fato Amazônico, Vanusa Medeiros, mãe de Heloísa, relatou como tem sido esse período sem a filha e pede ajuda na divulgação do caso que aconteceu em Manaus (AM).

“Eu procuro me distrair pra ter outra visão da vida, mas é muito difícil e torna-se mais revoltante quando a gente pensa que o cara que fez tudo isso está solto.”, relata Vanusa.

A mãe questiona a demora da polícia em localizar Michael Saboia e a ausência de informações sobre as investigações, além de alegar que a família tem feito papel da polícia.

“Cada dia que passa torna-se mais difícil, o sentimento de perda, as lembranças, saudades.”, disse a mãe de Heloísa. Ela afirma que há pessoas que podem contribuir com informações do paradeiro do principal suspeito de assassinar sua filha, mas que não querem se comprometer ou tem medo de falar algo.

O apelo que Vanusa Medeiros faz é para que se coloquem no lugar dela, que nunca imaginou passar por uma situação como essa, mas que hoje luta para que a justiça seja feita. “Não vamos sossegar enquanto esse cara não for preso e pagar pelo que ele fez.”, disse.

Tá sendo um período muito difícil pra gente, pela ausência, pela falta, pela maneira que aconteceu. Algo tão repentino, tão bárbaro, tão cruel

Entenda

O corpo de Heloísa Medeiros foi encontrada na madrugada do dia 15 de dezembro de 2019, com sinais de estrangulamento, em um casarão na rua Miranda Leão, bairro Centro, Zona Sul de Manaus.

A vítima estava seminua e com sinais de estrangulamento e indícios de tortura: a adolescente teve as unhas arrancadas e os cabelos cortados. Segundo o laudo o IML, ela foi morta por lesão no pescoço; a cervical quebrou.

Morte de estudante de enfermagem completa 5 meses; acusado segue foragido e família diz que faz papel da polícia


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •