Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

METRÓPOLES – O advogado Carlos Alexandre Klomfahs, que defende o sargento da FAB Manuel Silva Rodrigues, preso com 39 kg de cocaína na Espanha, afirmou à Corregedoria do Ministério Público Militar brasileiro que há evidências de “ações clandestinas e sem autorização da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para imputar crimes ao comissário de bordo”. Segundo o advogado, o objetivo seria “prejudicar a imagem do Brasil e do governo do presidente Jair Bolsonaro”.

Rodrigues, que é comissário de bordo, fazia parte da comitiva de 21 militares que acompanhava a viagem de Jair Bolsonaro (PSL) ao Japão, onde o presidente participou da reunião do G20.

O avião da FAB em que estava o militar é usado como reserva da aeronave presidencial. Essa comitiva não fazia parte do mesmo voo que transportou o presidente. A droga foi encontrada na bagagem do sargento ao desembarcar em Sevilha, primeira etapa da viagem.

“Do exposto, requer desta Ilustre Corregedoria o acompanhamento e a disponibilização à Defesa dos números dos processos Adm. ou do inquérito policial militar de toda prova produzida (filmagem, oitivas e diligência coligidas e ou já efetivadas ou concluídas) contra o acusado, bem como o devido requerimento pelo Parquet Militar ao juízo militar competente da Extradição Ativa para fins de instrução e julgamento do processo penal junto ao Governo da Espanha pelo Ministério da Justiça ao Ministério das Relações Exteriores, à luz do disposto no Tratado Brasil-Espanha e da Lei de Migração. Por cautela nos lê em cópia a Procuradora Geral da República”, requer o advogado.

Ele pediu acesso ao Inquérito Policial Militar (IPM). A defesa também prepara um requerimento ao Ministério da Justiça e Segurança Pública para que peça a extradição de Rodrigues.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •