Ministro ficou sabendo pelo Twitter, enquanto estava de férias, de uma das decisões de Bolsonaro que mais enfraquece seus poderes na Casa Civil
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O ministro-chefe da Casa Civil Onyx Lorenzoni disse a aliados na quinta (30) ter ficado surpreso com a decisão de Jair Bolsonaro de retirar a gestão do PPI (Programa de Parcerias e Investimentos) da alçada de sua pasta e esvaziar ainda mais seus poderes. Ele afirmou que só soube da decisão pelo Twitter.

Segundo a coluna Painel da Folha de S.Paulo, Lorenzoni afirmou que precisava conversar com o chefe para compreender o objetivo dele ao enfraquecê-lo.

Integrantes do DEM, partido do ministro, viram no gesto um golpe “duro e desleal” e defendem que o ministro peça para sair e retorne para a Câmara.

Nos últimos dias, Onyx viu diversos acontecimentos que fragilizaram ainda mais sua gestão. O principal episódio envolve um de seus assessores, Vicente Santini, que foi demitido, recontratado e exonerado em um período de 48 horas por ter viajado à Índia com um avião da Forca Aérea Brasileira (FAB).

Além de Santini, Bolsonaro também demitiu o assessor de imprensa do ministro, Gustavo Chaves Lopes, por ter sido responsável pela nota oficial dizendo que o presidente havia conversado com Santini e garantido sua permanência na Casa Civil. Como forma de agradar o ex-capitão, Onyx contratou como novo assessor Mateus Colombo Mendes, que se define nas redes como “olavete e bolsominion”.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •