O deputado Josué Neto esteve reunido ontem com representantes do Sinteam (Foto: Joel Arthus)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Josué Neto, declarou na terça-feira, 21, estar otimista quanto as soluções encontradas após sucessivas negociações com o governo do estado.

De acordo com o parlamentar, houve consenso com o governo que acena com algumas garantias efetivas para que possam – Assembleia Legislativa e governo – dizer que a greve acabou.

A Assembleia Legislativa deverá votar nesta quinta-feira (23) o Projeto nº 293/2019, que trata do reajuste dos professores, segundo informou Josué Neto. A matéria tramita na Aleam desde o final da semana passada, e tem sido discutida com os representantes da categoria, do Governo e deputados para viabilizar um acordo que ponha fim na greve que já dura um mês.

Após reunião presidida por Josué Neto com a presença dos deputados Dermilson Chagas, Therezinha Ruiz, Carlinhos Bessa, Dra. Mayara Pinheiro e Fausto Júnior, dos representantes do Sinteam e Asprom, além do secretário de Fazenda Alex Del Giglio, ficou decidido que a Mensagem Governamental que prevê reajuste salarial de 4,73% terá a inclusão de três emendas coletiva.

Comissão

Em comum acordo com os representantes do Sinteam e Asprom foi criada nova comissão entre representantes dos professores, da Seduc, Sefaz e técnicos da Assembleia para a realização de estudos constantes de propostas para melhorias do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) dos profissionais da educação do Estado.

Confira o Vídeo:

Entenda o caso:

Os profissionais pedem reajuste de 15%. No dia em que iniciou a greve, a proposta do governo era 3,93%. A categoria reivindica também auxílio localidade de R$ 167 aos professores que moram na sede do município e R$ 200 para os que moram nas comunidades. No dia 10 de maio, o Estado apresentou contraproposta de 4,73%.

No dia 12 de abril, a categoria fez manifestação com carreata até a sede do Governo do Amazonas. Três dias depois, ou seja, no dia 15 de abril, teve início a paralisação.

A Seduc apresentou a contraproposta final aos profissionais da educação, com reposição salarial de 4,73% mais reajuste de auxílios alimentação e localidade, em percentuais de até 233%, e a ampliação do vale-transporte dos professores que cumprem 40 horas.

Na terça-feira (15), o governador Wilson Lima encaminhou o Projeto de Lei (PL) com a reposição salarial e o pagamento do auxílio localidade para a Aleam. O objetivo é acelerar o pagamento daquilo que a Lei permite e que já está garantido.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •