Foto: Clay Banks
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As frases: “ninguém nasce sabendo” e “ninguém sabe tudo” tocam num dos temas mais recorrente da educação contemporânea: a ideia da formação continuada. E o que vem a ser formação continuada? Quis são seus principais benefícios? Quer saber um pouco mais sobre o assunto? Então leia este artigo!

Formação continuada é o desejo do profissional de manter-se sempre atualizado em sua área de formação. É a busca constante pelo aperfeiçoamento profissional. Dessa forma, a formação continuada ajuda o profissional a se tornar cada vez mais capaz de se adaptar às rápidas e diversas mudanças da sociedade contemporânea.

Numa sociedade tão competitiva como a nossa, continuar estudando é umas das principais formas de manter-se ativo no mercado de trabalho. Estar atualizado sobre as notícias do mundo e do mercado é fator fundamental para melhorar suas chances de emprego. Só vence a guerra quem se preparar para enfrentá-la!

Nem sempre terminar um curso superior no Brasil significa estar preparado para o mercado de trabalho. Por vários motivos, que não cabem aqui elencá-los, muitos universitários se formam sem saber praticamente nada. De forma geral, a formação inicial do trabalhador brasileiro deixa muito a desejar!

Muitas vezes, somente quando o profissional chega ao local de trabalho que ele vai perceber o quanto ainda precisa aprender. Como na sociedade capitalista quem sabe leva vantagem sobre quem não sabe, a formação continuada é uma das formas mais eficientes de equacionar esse distanciamento. Ou seja, é preciso continuar estudando!

Por outro lado, quando o trabalhador percebe que ainda precisa aprender para desempenhar com melhor qualidade o seu trabalho, a formação continuada deve ser um programa de vida, uma obsessão. Assim, o trabalhador precisa reconhecer a importância da formação continuada para manter-se ativo no mercado de trabalho.

 Para ficar apenas no campo da educação, área que modestamente eu conheço, afinal de contas já são mais de vinte anos atuando como professor, trago aqui o caso da formação inicial dos pedagogos. Com a autorização do Ministério da Educação (MEC), muitas disciplinas fundamentais na formação inicial de um professor foram para a modalidade de Educação à Distância (EAD).

Como um estudante de pedagogia que faz Estágio Supervisionado em EAD se sente ao entrar pela primeira vez numa sala de aula com 30 ou 40 crianças? Não é fácil, não é mesmo! O pedagogo precisa ir para a sala de aula, para aprender na prática como ocorre o processo de ensino e aprendizagem das crianças, e não ficar apenas na teoria.

Muitas teorias ensinadas nas faculdades e universidades do país estão defasadas, não explicam à realidade. A realidade da sala de aula, o pátio da escola, é o campo próprio da formação de um professor. Assim, as instituições de ensino do país, quase todas, não estão formando o trabalhador para o mercado de trabalho.

Dessa forma, como a voz da maioria é considerada a voz de todos, é preciso que o profissional mantenha-se atualizado, daí a importância da formação continuada. É preciso que o professor esteja sempre estudando, fazendo cursos, de curta ou longa duração, que aprenda novas línguas, afinal, conhecimento nunca é de mais!

Por outro lado, sabe-se que há uma angústia presente na necessidade de fazer escolhas e, mais ainda, ter de aceitar o resultado daquilo que se escolheu. Imagine à angústia de um universitário que só descobre que não tem vocação no último semestre do curso? Deve ser muito difícil, não é mesmo?

Em suma, não existe mágica: o trabalhador, o universitário, o professor, precisa saber que às vezes essas escolhas se transformam em desgosto, sofreguidão, atribulação, desassossego, dor. Enfim, sem formação continuada não há esperança de dias melhores, de melhores salários, de empregabilidade. O importante é continuar estudando. A final de contas, “ninguém nasce sabendo” e “ninguém sabe tudo”.

 Luís Lemos

Filósofo, professor universitário e palestrante. Autor dos livros: O primeiro olhar – A filosofia em contos amazônicos (2011), O homem religioso – A jornada do ser humano em busca de Deus (2016); Jesus e Ajuricaba na Terra das Amazonas: Histórias do Universo Amazônico (2019). Fone: 988236521. E-mail: [email protected]


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •