Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A desembargadora Encarnação das Graças Sampaio Salgado, da Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas, em decisão monocrática na última segunda-feira (14) indeferiu a liminar em habeas impetrada pela defesa do agente administrativo Renato Fabiano dos Santos Benigno, 36 anos, que continuará preso. Ele é acusado de, na madrugada do dia 12 de maio, engavetar o veículo que dirigia, uma picape S-10, de cor marrom e placas OAK 2643 em um Fiat Strada, de placas JXP 6657, matando José Henrique Monteiro Galvão, de 18 anos e Keyllene Nogueira de Almeida, deixando ferido ainda Rodrigo de Oliveira Barroso, Weslem Tavares e Silva e Jhony Lemos Rodrigues.

Ao denegar a liminar a desembargadora diz que não viu ilegalidade na prisão para urgência na medida e afirma que caberá ao colegiado da Câmara Criminal o pronunciamento definitivo do mérito.

No dia 11, a juíza Mirza Telma de Oliveira Cunha, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, determinou que Renato Benigno, acusado matar duas pessoas e deixar outras feridas em acidente de trânsito na Ponta Negra, fosse transferido do Centro de Detenção Provisória (CDP) para uma cela reservada no Batalhão de Guarda da Polícia Militar.

Mirza seguiu o parecer do promotor de Justiça Carlos Fábio Monteiro, que aprovou pedido de transferência. No pedido, a defesa alegou que Renato estava sofrendo ameaças de morte dentro do CDP, por conta da repercussão do crime de trânsito cometido por ele.

Acidente

O acidente ocorreu por volta de 5h do dia 12 de maio, na Avenida Coronel Teixeira, Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus. As vítimas voltavam de uma casa de forró localizada no bairro Tarumã e estavam empurrando um veículo em pane para o acostamento quando foram atingidas pela picape modelo S10. Keyllene e o cunhado José Henrique morreram na hora. Eles tiveram membros inferiores e superiores mutilados.

Logo após o acidente, o motorista Renato Fabiano dos Santos Benigno foi preso e levado ao 19º Distrito Integrado de Polícia, onde o auto de prisão em flagrante foi lavrado por homicídio doloso e lesão corporal.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •