Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam que somente no mês de julho deste ano foram desmatados 1.864 km quadrados, principalmente, na Floresta Amazônica. Considerada a maior devastação da história em apenas um mês, o assunto foi repercutido na terça-feira (20) pelo deputado federal José Ricardo (PT/AM) no plenário da Câmara ao fazer críticas severas à falta de ação efetiva do Governo Federal.

“A expansão está alarmante em termos de desmatamento da Amazônia. Em nível de Brasil, vemos fatos novos, como nuvem de fumaça cobrindo a cidade de São Paulo. Na capital do Amazonas não é diferente, muita fumaça por conta do desmatamento e das queimadas. Apesar disso tudo, temos um Governo que não se preocupa com as consequências do desmatamento”, declarou José Ricardo.

Ele ainda destacou outras estatísticas preocupantes do Inpe, mostrando que, nos últimos 12 meses, houve um crescimento extraordinário do desmatamento, equivalente a três cidades de São Paulo, principalmente, na Região Amazônica. Um aumento de 50% este ano, comparado ao ano passado, em especial, em terras indígenas e unidades de conservação. Já os focos de queimadas, cresceram 70% até agosto deste ano, comparado com 2018.

Em vez de aumentar os investimentos, argumentou o deputado, o Brasil está perdendo recursos de países amigos que sempre contribuíram para o desenvolvimento sustentável e no combate ao desmatamento ilegal. Estava se referindo à Alemanha e à Noruega, que bloquearam recursos na ordem de R$ 289 milhões, destinados ao Fundo Amazônia, após declaração do presidente Bolsonaro, ao criticar a capacidade desses países em contribuir com o enfrentamento ao desmatamento. Como consequência da atual política de Governo, conclui José Ricardo: “aumenta a degradação do meio ambiente e a falta de oportunidades à população”.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •