Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O resultado do segundo Diagnóstico de Infestação do Aedes Aegipty de 2019, realizado pela Prefeitura de Manaus nos 63 bairros da cidade, entre os dias 4 e 19 de novembro, excluiu 12 bairros da situação de alta vulnerabilidade de transmissão de doenças pelo Aedes aegypti. A elaboração do Mapa de Vulnerabilidade aponta, ainda, que 38 bairros estão na classificação de média vulnerabilidade e 15 em baixa vulnerabilidade.

“Essa redução do indicador demonstra que a somatória de esforços e envolvimento de outras secretarias municipais para o combate a esse mosquito é fundamental na prevenção e controle. As ações de infraestrutura, drenagem, limpeza e asfaltamento que a administração do prefeito Arthur Virgílio Neto executa em toda a cidade, foram determinantes nesse resultado e impactam positivamente na qualidade de vida da população”, avalia o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

No primeiro levantamento, realizado em fevereiro de 2019, Manaus apresentava 22 bairros classificados em alta vulnerabilidade, 26 em média vulnerabilidade e 15 em baixa vulnerabilidade.

No segundo Diagnóstico de Infestação pelo Aedes em 2019, foram visitados 29.193 imóveis em todos os bairros de Manaus, envolvendo cerca de 250 profissionais da Semsa. Essa ação teve sua estratégia pautada na realização de visita domiciliar, buscando identificar e coletar as formas imaturas (larvas) do mosquito, bem como eliminar ou tratar os potenciais criadouros do mosquito.

Hoje, dos 63 bairros do município de Manaus, apenas Jorge Teixeira, Tancredo Neves e Coroado, na zona leste; Colônia Terra Nova e Novo Aleixo, na zona Norte; Parque 10, Chapada, Petrópolis, Japiim e São Lázaro na zona Sul estão classificados como prioritários para receber a intensificação das ações de controle. Os bairros da zona Oeste ficaram fora da situação de alta vulnerabilidade.

Levantamento

O diagnóstico da Infestação do Aedes aegypti tem como objetivo realizar o levantamento do índice do vetor no município, com a finalidade de reunir informações sobre a situação de infestação pelo mosquito tipo Aedes, principal transmissor de doenças como zika vírus, dengue (DEN 1, DEN 2, DEN 3, DEN4) e febre chikungunya.

Esses dados permitem o direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas. A metodologia consiste em dividir o município em estratos com características semelhantes para realização da pesquisa/visita nos imóveis.

Os extratos com índices de infestação predial estão classificados em

inferiores a 1%, o que significa que estão em condições satisfatórias; de 1% a 3,9%, estão em situação de alerta, o chamado médio risco; e superior a 4%, considerado de alto risco.

Desta forma, o diagnóstico em novembro de 2019 aponta, em comparação com o mesmo período do ano anterior, que o percentual de imóveis com focos de mosquito no município apresentou Índice de Infestação Predial de 1,9%. Sendo assim, Manaus permanece em Médio Risco para as doenças transmitidas pelo Aedes (médio risco compreende valores entre 1,0 e 3,9). No 1º Diagnóstico de Infestação, realizado em fevereiro de 2019, o resultado do Índice de Infestação foi de 2,2%.

O percentual de depósitos com focos de mosquitos apresentou o Índice de Breteau (IB de 2,5%). No primeiro Diagnóstico de Infestação, realizado em fevereiro de 2019, o resultado do Índice de Breteau foi de 2,7%.

Os depósitos que mais contribuem para a proliferação do mosquito Aedes aegypti em Manaus, segundo dados do diagnóstico, são os recipientes tipo A2 de armazenamento de água para consumo em nível de solo, como tambores, tonéis ou camburões, barril, tina etc., o que representa 37,5%.

Depósitos como lixo, recipientes, garrafas, latas, ferro velho, com 29%, apresentaram redução do indicador, confirmando que a somatória de esforços e envolvimento de outras secretarias municipais para o combate a esse mosquito é essencial para sua prevenção e controle. No 1º Diagnóstico de Infestação realizado em fevereiro de 2019 esse tipo de depósito obteve um resultado de 34,4%.

Planejamento

Em Manaus, as ações de intensificação serão direcionadas para controle do vetor prioritariamente nas áreas de maior vulnerabilidade, com os Agentes de Controle de Endemias e Agentes Comunitários de Saúde realizando a visita casa a casa, intensificação de atividades de educação em saúde com ampla implantação da estratégia 10 minutos contra o Aedes e principalmente o maior envolvimento dos moradores e de lideranças locais, além da continuidade de ações interinstitucionais com as demais secretarias do município, buscando, por meio de parcerias com outras instituições públicas e privadas, apoio para o enfrentamento do Aedes no município.

Dia D

Marcando a programação do Dia Nacional de Combate ao Aedes aegypti, 7/12, a Prefeitura de Manaus vai promover na sexta-feira, 6/12, uma mobilização no bairro Parque 10 de Novembro, zona Sul.

A programação, que será realizada em parceria com a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), terá início com a concentração de agentes de endemias no largo da Gruta, em frente à Igreja de Nossa Senhora de Lourdes, na rua Dom Milton Correia Pereira, a partir das 8h30, com a entrega de medalhas para 20 brigadistas mirins, que atuam no combate ao mosquito Aedes aegypti em escolas municipais e estaduais.

Além da entrega de medalhas, a programação vai incluir a visita domiciliar executada por agentes de endemias, para orientação à população e tratamento, eliminação ou inutilização de criadouros do mosquito Aedes.

Casos 

De janeiro a novembro deste ano, o município de Manaus registrou 316 casos confirmados das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, em uma redução de 27,7% em relação ao mesmo período do ano de 2018, quando houve registro de 437 casos confirmados.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •