Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Uma briga, duas versões e o mesmo lugar: Pousada Tucanos, no município de Presidente Figueiredo (AM). No último sábado (04), um grupo de pessoas chegou para hospedagem na Pousada Tucanos, mas ao serem atendidos, descobriram que não havia quarto disponível. Enquanto resolviam a situação, o “couro comeu”.

Versão 1

Segundo o boletim de ocorrência registrado pelos autores da reserva, Anderson Gadelha, 37, Lorena Aparecida da Silva, 42, José Diogo da Silva Neto, 20 e Irvana Freire, 29 anos, fizeram a reserva de um quarto e anteciparam o valor de R$100,00. Todos são residentes de Manaus (AM).

Ao chegarem na pousada e serem informados que não havia disponibilidade, Lorena da Silva questionou e disse que ligaria para a Polícia no intuito de resolver.

Anderson Gadelha e Lorena Aparecida

Os proprietários da pousada acordaram a devolução do dinheiro, mas uma terceira pessoa que estava no local, Patrick Campos Chavier, agrediu José Diogo, filho de Lorena; então a briga começou entre o grupo. Segundo Irvana, Patrick era a pessoa mais exaltada após a briga e que estava armado com uma faca.

Trecho Boletim de Ocorrência

Versão 2

A proprietária da Pousada, Marivone Campos, afirma que o que aconteceu foi “uma tarde de terror”. Segundo o boletim de ocorrência, foi feita reserva de um quarto, na madrugada do dia 04. Pela manhã ao perceber que o quarto não estaria disponível, pediu para o seu filho Patrick Campos Chavier, esclarecer a situação e devolver o dinheiro quando o grupo chegasse.

Durante a confusão e briga, disse que tentou providenciar um quarto e que José Diogo foi até o carro e trouxe um taco de madeira; foi quando ela negou ceder o quarto diante da atitude e xingamentos.

A esposa de Patrick, Thaís de Souza, estava no local e tentou intervir durante a briga.

Thaís da Costa de Souza (4 pontos) e Patrick Chavier (9 pontos)

Marivone afirma que o quarto família é para 4 pessoas e que tinha 7 pessoas no momento. Eles apontam José Diogo como uma pessoa disposta a gerar confusão. “Eram 7 pessoas contra duas!!”, disse ao Fato Amazônico.

Trecho Boletim de Ocorrência

Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •