Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O senador Eduardo Braga (MDB), em artigo publicado nesta sexta-feira, 31, na Folha de São Paulo, não precisou de meias palavras para acusar o ministro da Economia, Paulo Guedes, de mentiroso, pela declaração em Davos de que “o pior inimigo do meu ambiente é a pobreza”.

Custou. Demorou. Tudo bem.

O importante é que, finalmente, alguém, não por intolerável arroubo machista ou desnecessária arrogância mas, sobretudo, por elevado espírito patriótico, engrossou a voz, sem covardia, tremelhiques, torpes trejeitos subservientes, em defesa da Zona Franca de Manaus.

O Amazonas e o Brasil precisam de vozes fortes, duras e consequentes como a que fez ecoar nesta sexta-feira, Eduardo Braga.

Na condição de defensor dos interesses do povo do Amazonas, Eduardo Braga agiu com prumo e na medida certa ao se opor, intrépido, à ultrajante infâmia de ministro Paulo Guedes que, para defender os seus próprios interesses e da aristocracia paulista, propugna com a mesma força a  pobreza perpétua da região.

Isso não vai acontecer.

Na semana passada, Amazonino Mendes dizia que, para não ser destruída pela ganância dos interesses da elite paulista, a Zona Franca de Manas precisava da união de todos.

Eduardo Braga entendeu o recado e, como Ajuricaba, que se rebelou contra a coroa portuguesa, diz não à tirania paulista comandada pelo tirano Paulo Guedes.

Leia artigo na íntegra

https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/01/zona-franca-de-manaus-tropeco-em-davos.shtml


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •