Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Portal R7 – Com a suspensão das aulas, muitos pais se viram em casa com os filhos e uma série de atividades online enviadas pelas escolas. Mas como organizar a rotina e ajudar as crianças neste momento?

O R7 ouviu mães que adotaram a prática do chamado homeschooling, a educação domiciliar, para dar dicas e ajudar as famílias nesse momento de quarentena.

Para Ana Gabriela Maihach, psicopedagoga e mãe que adotou a educação em casa, o primeiro passo é “lembrar da criança que um dia você foi”. Ana sugere manter a conexão com os filhos e dar espaço para brincadeiras tradicionais como amarelinha, cinco marias ou pular corda.

Quando se trata de crianças pequenas, na visão de Ana, é melhor intercalar atividades e brincadeiras. “Elas não vão ficar 4 horas atentas a um conteúdo é preciso saber equilibrar, dê uma atividade de pintura e depois deixe brincar livremente.”

Para os maiores, a dica é observar o material que está disponível na internet. “Sugiro que os pais assistam antes as aulas, preparem atividades e depois acompanhem os filhos, tirem dúvidas e confiram se, de fato, aquele conteúdo foi assimilado”, orienta.

“Eu gosto muito da técnica Pomodoro, em que o estudante foca em um assunto por 25 minutos e depois tem 10 de descanso, uma forma de fixar melhor o conhecimento”, avalia.

Para Ana, apesar da gravidade do momento, esse é um tempo que os pais devem aproveitar para se conectar mais com os filhos. “Sempre temos boas lembranças da infância, que esse seja de boas recordações.”

*F. M, como tantas mães brasileiras, também está tentando transformar o limão em limonada e usa a criatividade para atravessar esse momento de quarentena mesmo sendo adepta ao homeschooling. “Ao contrário do que muitas pessoas pensam, nós estamos sentindo a falta de convívio social, costumávamos sair todos os dias para encontros, atividades complementares e para praticar esportes”, conta.

Para driblar esse tempo de quarentena, a dica é investir no artesanato e atividades manuais, nos jogos de tabuleiro e colocar os filhos para colaborar na rotina de casa, claro, sem deixar as atividades da escola de lado.

“Agora é hora de manter a calma, ter uma rotina flexível, procurar atividades e jogos na internet, assim como permitir que as crianças e os adolescentes conversem com os amigos utilizando aplicativos para não perder os vínculos”, avalia.

Não existe receita de bolo, cada família vai se adaptar de acordo com o seu perfil, mas vale aproveitar o momento e estar perto dos filhos.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •