Foto: Robervaldo Rocha – Dircom/CMM
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O vereador Elias Emanuel (PSDB) questionou o Secretário Municipal de Articulação Política, Luiz Alberto Carijó e o procurador geral do município, Rafael Albuquerque, que estiveram na Câmara Municipal de Manaus (CMM), sobre as responsabilidades da Casa Militar na segurança pessoal do prefeito e seus familiares e os prazos para conclusão do inquérito instaurado pela Procuradoria Geral do Município, referentes aos uso de carro e servidor do executivo em homicídio.

Elias Emanuel questionou em quanto tempo cada comissão institucional, criada pelo Executivo para avaliar os procedimentos dos servidores no caso, dará algum resultado, uma vez que a sociedade tem urgência por respostas. “Eu penso que precisamos dar uma satisfação para sociedade e por isso é importante saber quanto tempo demora, respeitada a ampla defesa e o contraditório, as comissões que irão avaliar o comportamento desses servidores? As medidas formais que o município está tomando diante desse caso precisam ser informadas e por isso pergunto quanto tempo pode levar o inquérito nessas comissões”, indagou.

Para Carijó é necessário esperar a conclusão do inquérito policial para que haja os indícios dos ilícitos e das instalações, assim a comissão interna terá os subsídios necessários e poderá realizar um enquadramento dentro do aspecto do administrativo, dentro do prazo máximo 45 dias corridos.

Deixando claro seu papel como parlamentar, Elias Emanuel cobrou resposta do administrativo, não entrando no âmbito da polícia civil, pedindo explicações sobre as responsabilidades da Casa Militar diante da preservação da segurança não só da figura do prefeito, mas de seus familiares e questionou o porquê de o sargento Elizeu da Paz utilizar um veículo da frota da prefeitura para visitar o enteado do prefeito.

” Faz parte da rotina a segurança fazer essas visitas na casa de entes do prefeito? Porque a sociedade tem urgência de respostas. Da prefeitura, a sociedade não vai cobrar a elucidação do crime porque não é papel do prefeito e muito menos dessa casa adentrar no inquérito policial, mas às medidas formais que o município de Manaus está tomando diante desse caso precisam ser informadas”

Em resposta ao vereador, o secretário de articulação respondeu que a segurança é intermitente. “A segurança funciona no momento que for necessário, funciona por ronda, por turno, por demanda, funciona por norte do próprio segurança de checar, isso faz parte inclusive do trabalho da polícia” deixando claro que essas visitas são comuns.

Para o parlamentar tucano, uma urgência tem sido observada por parte da opinião pública para que os resultados sejam breves e positivos.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •