Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), realizou, na manhã de quarta-feira (22/01), a primeira edição da Amostra dos Serviços de Apoio à Mulher, Idoso, Criança e Pessoa com Deficiência – Samic/Casa de Maria, em Itacoatiara (município a 269 quilômetros de Manaus). O evento reuniu, no auditório do Fórum Dr. José Rebelo de Mendonça, mulheres em situação de vulnerabilidade e violência doméstica cadastradas pelo posto de atendimento.

Participaram do evento representantes da Prefeitura de Itacoatiara, Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher (DECCM) e as mulheres amparadas pelo Samic, que deram depoimentos sobre como conseguiram superar os casos de violência por meio da Rede de Proteção.

O Samic, batizado de Casa de Maria, está completando um ano de fundação e foi a primeira unidade do interior inaugurada pelo Governo do Amazonas, em junho do ano passado. Em seis meses de funcionamento, o local já atendeu cerca de 200 mulheres e seus familiares por meio de orientação psicossocial e acolhimento, depois que elas fizeram denúncias de violência na Delegacia da Mulher. Na unidade, as vítimas também conseguem apoio jurídico por meio da parceria da Sejusc com a Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM). Para 2020, o Samic atenderá ainda Pessoas com Deficiência (PcDs).

A secretária titular da Sejusc, Caroline Braz, comemora os resultados obtidos pela Rede de Proteção e adianta o compromisso do Governo do Amazonas em inaugurar mais seis unidades do Samic no primeiro semestre de 2020.

“É algo inédito na política do Governo do Estado trazer a interiorização da Rede de Proteção para o público vulnerável. No caso das mulheres, além de trabalhar a questão psicossocial, ocorre um fortalecimento da independência dessa mulher. O Samic de Itacoatiara já é um sucesso, pois vem transformando vidas, e a missão do Governo é continuar essa mudança social em outros municípios do nosso Amazonas”, afirma a titular da pasta.

A coordenadora do Samic de Itacoatiara, Tânia Chantel, acrescenta que o atendimento interdisciplinar oferecido foi primordial na  vida das vítimas. Ela afirma que muitas mulheres passavam por violência doméstica, registravam vários Boletins de Ocorrência, porém não recebiam socorro para dar seguimento às suas vidas.

“Você pode perceber no depoimento das mulheres que elas não se viam mais como seres humanos. Só pelo fato delas agradecerem e falarem que hoje se sentem humanas, notamos a importância que o Samic tem na vida delas”, comenta.

Superação – Bárbara Lima, de 35 anos, é uma das mulheres atendidas pelo Samic. Ela conta que conheceu o serviço após viver um caso de violência na própria casa. Após denunciar o crime, ela foi orientada pela Delegacia da Mulher a procurar espaço e buscar outros tipos de apoio.

“Recebi apoio médico e psicológico, tive que pegar meus filhos e aluguei outra casa para refazer a minha vida, tudo com o auxílio do Samic. Também comecei a fazer um curso de sobrancelha, porque eles nos dão oportunidades de fazer vários cursos de beleza. Quero continuar aprendendo e abrir meu próprio negócio”, conta.

Empreendedorismo – Durante a amostra, houve a entrega de certificados de cursos profissionalizantes concluídos por mulheres do Samic. As capacitações têm cargas horárias de 12h e 20h e incluem oficinas de customização, design de sobrancelhas, pintura em tecidos, entre outros. O evento contou com exposição de produtos como tapetes, artesanato e comidas regionais feitas por mulheres.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •