Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Em transmissão ao vivo no Facebook na quinta-feira 14, o presidente da República, Jair Bolsonaro, comentou a extinção do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT). O presidente ressaltou que o DPVAT foi extinto por medida provisória, que pode caducar ou ser rejeitada no Congresso, e o seguro voltar a valer.

“Quem quiser fazer um seguro pode procurar a seguradora; tudo o que é obrigatório não é bom”, ressaltou, ao lado do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, que citou a seguradora do banco como uma opção.

A decisão de Bolsonaro de extinguir o DPVAT atingirá em cheio os negócios do presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE). Desafeto do presidente da República, Bivar é o controlador e presidente do conselho de administração da seguradora Excelsior, uma das credenciadas pelo governo para cobertura do seguro DPVAT.

“Vou começar um partido pobre, sem dinheiro. Quem for, vai por amor”

Na live no Facebook o presidente falou que desfiliação do PSL será nos próximos dias. Bolsonaro afirmou, no entanto, que a separação é “amigável” e chegou a agradecer “todo o apoio e consideração” que teve “até o momento” no partido. Ele ainda desejou “boa sorte” a Bivar.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ainda que os congressistas que o acompanharem na mudança de partido o farão por amor, uma vez que o seu novo partido, a Aliança pelo Brasil, não deve levar recursos do Fundo Partidário do PSL.

“Lançamos aqui, não de forma oficial ainda, o novo partido Aliança pelo Brasil. Está em estudo ainda. A única certeza é que me desfilio nos próximos dias do PSL”, disse Bolsonaro. “Cada um segue o seu destino, como uma separação. Infelizmente, acontece na vida da gente; já me separei uma vez, estou no segundo casamento”, afirmou. “Vão ser felizes, todo mundo”, disse.

Bolsonaro reclamou também da imprensa. “A imprensa está dizendo que vai ser o nono partido do Bolsonaro. Olha a má-fé! Que fosse o trigésimo partido”, declarou. Mas, afirmou, não se pode considerar fusão de partido como mudança de legenda. Ele disse que, por esse critério, passou por cinco siglas.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •