Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A deputada Erika Kokay (PT-DF), presidente da CPI que investiga a exploração sexual de crianças e adolescentes defendeu no Plenário da Câmara a intervenção no município de Coari, no Amazonas. O prefeito de Coari, Adail Pinheiro está preso e foi denunciado pelo Ministério Público pelos crimes de formação de quadrilha, exploração sexual de crianças e adolescentes e estupro de vulnerável.

A CPI esteve no município amazonense na última quinta-feira e, de acordo com a deputada Erika Kokay, foi constatada uma situação de “barbárie”. Ela explicou que apesar de Adail Pinheiro e alguns assessores dele estarem presos as testemunhas que denunciaram a existência de uma rede de exploração sexual estão sendo ameaçadas.

“O que percebemos em Coari é que as prisões foram insuficientes para que pudéssemos reestabelecer o Estado Democrático de Direito naquele Município. Vimos casas baleadas de testemunhas que contribuíram com os trabalhos da CPI. Pessoas saindo das suas próprias casas, saindo do município e buscando proteção em outras cidades, em estratégias de sobrevivência que são inadmissíveis que tenham que ser efetivadas em função da barbárie estabelecida a partir do poder público, aquele que deveria proteger”, enfatizou a presidente da CPI.

Erika Kokay defende a intervenção imediata no município de Coari. “A CPI tem uma clareza muito grande disso. Essa CPI, que esteve com o presidente do Tribunal de Justiça, com o Procurador de Justiça do Estado, em audiência pública, escutando quase 30 pessoas entre representantes da sociedade civil, dos vários poderes do Estado, tem o compromisso de nos dar a possibilidade de dizer que o manto da impunidade está rompido”, afirmou a presidente a parlamentar.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •